Governador discute banda larga via rádio para o Amapá

Atualmente, a conexão é feita via satélite, mas, de acordo com a empresa francesa Guayacom, o projeto pode trazer banda larga via rádio de Caiena para Macapá

A proposta de trazer a Banda Larga para o Amapá, através da Guiana Francesa, foi reforçada na manhã desta segunda-feira, 21, no encontro entre o governador Camilo Capiberibe, a representante da empresa francesa Guayacom, Christine Chung e o cônsul da França do Amapá, Jean-François Le Cornec.

A empresa veio ao Amapá dá continuidade à conversa iniciada na semana anterior em Caiena, quando a comitiva do governo do Estado esteve em visita discutindo diversos assuntos relacionados a cooperações transfronteiriças, incluindo o acesso à banda larga. Christiane propôs, em nome da empresa, uma parceria com o governo estadual para que a banda larga seja possível via Caiena/São Jorge/Oiapoque/Calçoene/Macapá.

Ficou estabelecido que o governo do Estado irá estudar todas as possibilidades para que o acordo seja oficializado, avaliando os aspectos técnicos e econômicos. Atualmente, a conexão é feita via satélite, mas, de acordo com Christiane Chung o projeto pode trazer banda larga via rádio de Caiena para Macapá, o que depende de ajustes técnicos e diplomáticos entre as duas partes e o governo federal.

“Já tem fibra ótica até o município de Calçoene feito pela Eletronorte, e via rádio é a alternativa até que o restante do percurso esteja completo. Temos capacidade de oferecer até 1.6 gigabytes até 2015 para todo o Amapá”, diz a representante.

Um dos entraves conversados entre o governador e a representante Christiane é relacionado a valores. Ela informou que a Eletronorte cobra pelo uso da fibra ótica R$ 2.500,00 por mega byte, enquanto que o preço comercial é dez vezes menor, e através do Plano Nacional de Banda Larga pode chegar a R$ 100,00 e R$ 50,00 para o consumidor. O governador Camilo se comprometeu em articular junto ao governo federal a negociação do valor através do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL).

A empresa Guyacom, que opera na Guiana Francesa e Suriname, busca parcerias em outros estados brasileiros e está em conversa com a empresa de telefonia OI. A empresa já tem financiamento do lado francês e há a possibilidade da Oi assumir a parte brasileira. Para que a parceria com o governo estadual se concretize é necessário resolver questões jurídicas e de regularização e licenciamento junto aos órgãos competentes.

“A saída é a internet via rádio enquanto não é possível a fibra ótica, o que depende da obra na BR-156. Queremos o acordo com o Amapá, e o governador já se mostrou disposto”, disse o cônsul Jean-François. Por se tratar de áreas indígenas, é necessário autorização não apenas do Estado, mas também do governo federal através da Fundação Nacional do Índio (Funai), o que está sendo discutido com representantes das aldeias.

A proposta da empresa é começar a operar, dependendo da celeridade, em 10 meses, prevendo o tempo chuvoso da região. O governador Camilo Capiberibe se disse interessado em intervir junto ao governo federal para garantir a parceria através do Ministério das Comunicações, Anatel e Telebrás, onde conversará sobre alternativas capazes de materializar a interconexão do Amapá com a Guiana Francesa.

Mariléia Maciel
Assessora de Comunicação

Um comentário em “Governador discute banda larga via rádio para o Amapá

  • outubro 4, 2011 em 5:25 am
    Permalink

    Em sua origem, o projeto apresentado pela empresa francesa Guyacom, chama-se SPANY, o projeto foi desenvolvido em conjunto com as empresas brasileiras NTC e Macomex. A SPANY tem sede no Brasil e conta com a participação dos sócios brasileiros e do CEO da empresa francesa, Filip Van Den Bosch. Os sócios brasileiros investiram e contribuiram com os estudos e os custos iniciais do projeto, o projeto foi aprovado em 2009 pelo Conselho Regional da Guiana (http://www.cr-guyane.fr/actualites/cooperation-regionale-po-amazonie-2007-2013).

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: