Governador Camilo e deputada Janete participam do V Simpósio Amazônia

Foto: David Casseb

Brasília, 08/11/11 – O governador do Amapá Camilo Capiberibe participou nesta terça, 8, em Brasília, do V Simpósio Amazônia – Uma visão jovem para o futuro sustentável da região. O governador mais jovem do país, Camilo Capiberibe, representou os governadores dos 9 estados da Amazônia. Ele apresentou as potencialidades do Amapá, ressaltando a preservação da cobertura natural em áreas protegidas que ocupam 72% do território do estado e, afirmou, orgulha os amapaenses.

O governador Camilo afirmou que é importante desenvolver a pesquisa e os estudos científicos e difundi-los na Amazônia para desenvolver a economia local sustentável com a floresta em pé. Destacou a importância de expandir as cadeias produtivas locais, como a dos fármacos, da castanha-do-brasil, do açaí, dentre outros, para aquecer a atividade econômica local, produzir riqueza e distribuir renda de forma desconcentrada pelo estado.

Oitenta e sete por cento do PIB do Amapá é oriundo do setor terciário (serviços), sendo 46% dos governos. Os setores primário (agricultura, pecuária, mineração, caça, pesca e extrativismo vegetal) e secundário (indústrias de transformação) respondem, respectivamente, por 4% e 9%. É fundamental agregar valor à matéria prima local para que a riqueza somada pelo estado seja maior.

Noventa por cento da população do Amapá mora nas cidades, por isso, afirmou o governador, é urgente investir na infraestrutura e na geração de bens e serviços para essa população. Os investimentos na infraestrutura e serviços foram retomados no atual governo. O estado teve crescimento populacional de 40% na última década, o dobro da média da região amazônica e quase 4 vezes mais que a média nacional.

A deputada Janete Capiberibe (PSB/AP) presidiu a mesa do Simpósio durante a explanação do governador Camilo. A socialista defende que a Amazônia, onde já moram 27 milhões de pessoas, se desenvolva pela exploração das riquezas naturais sem o esgotamento, que permita o desenvolvimento continuado ao longo das próximas gerações.

Palestras – Pela manhã, a primeira mesa de trabalhos teve como tema “O Crescimento Sustentável das Cidades e Geração de Empregos”. Dentro desse tema, foram discutidos pelos palestrantes, as metrópoles, cidades amazônicas e infraestrutura urbana; política de desenvolvimento para a Amazônia; zonas de processamento de exportação (ZPE), polos industriais e áreas de livre comércio, e; estágio atual e ritmo de crescimento da Amazônia em comparação ao resto do Brasil. Palestraram Celso Carvalho, do Ministério das Cidades; João Mendes, do Ministério da Integração Nacional; Camilo Capiberibe, Governador do Amapá; Bertha Becker, da Associação Brasileira de Ciência; Oldemar Yanck, Superintendente da Suframa e Júlio Miragaya, da Confederação Nacional de Economia.

A segunda mesa de palestras teve como tema principal a “Formação e Capacitação dos Jovens para o Futuro Sustentável”. Foram abordados os subtemas: O papel das Universidades; o papel do Ifet / Cefet (Escolas Técnicas Federais); as reivindicações dos universitários e dos alunos de ensino médio e o papel do Sebrae no contexto jovem.  Os palestrantes foram Carlos Maneschy, Reitor da UFPA; Luiz Edmundo Aguiar, Ministério da Educação; Fabiano Santos, União Nacional dos Estudantes; Helena Abramo, Secretaria Nacional da Juventude; Adriano Fossini, Organização das Cooperativas Brasileiras e Enio Pinto, do Sebrae.

O Simpósio é realizado todos os anos pela Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional – CAINDR – e pela Subcomissão da Amazônia do Senado Federal, com apoio da Confederação Nacional da Indústria, Conselho Federal de Economia e Sistema CNC, SESC e SENAC. Neste ano, teve a participação de estudantes secundaristas de Brasília e do Pará. O evento ocorre desde 2007, e tem como objetivo debater nacionalmente os problemas que afligem a Amazônia, buscando a interação entre as diversas camadas sociais para o mapeamento de possíveis soluções para a região que detém a maior biodiversidade do mundo.

Deixe uma resposta