Amazônia, Brasil, Cultura, Música

Ordem dos Músicos do Brasil tem nova diretoria

Alcyr Guimarães assume Ordem dos Músicos no ParáOs músicos Marcos e Alcyr Guimarães têm um desafio pelos próximos três anos. No comando da nova diretoria da Ordem dos Músicos do Brasil, seção Pará, eles precisam reconquistar o respeito da classe artística, resgatar credibilidade e, acima de tudo, aproximar a categoria musical do trabalho da entidade. Desde que assumiram os cargos de presidente e vice-presidente da OMB, no final de março de 2012, a dupla quer alcançar o objetivo primeiro de colocar a casa em ordem. Uma das medidas iniciais para conseguir tal empreitada foi o anúncio do perdão das dívidas referentes à anuidade devida pelos membros da instituição. As pendências correspondem aos períodos anteriores ao ano atual, com a convocação para o comparecimento dos músicos para recadastramento na sede da Ordem até o próximo dia 22 de junho.

“O recadastramento não implica necessariamente a obrigatoriedade do pagamento”, ressalta o presidente Marcos Guimarães. Ainda assim, a iniciativa é uma forma de tentar equilibrar uma estatística desigual. Segundo Marcos, dos mais de 15 mil músicos inscritos na Ordem apenas 1.500 estão com as contas em dia. É um dos muitos gargalos da OMB. Prestes a completar 50 anos de existência, até hoje a Ordem dos Músicos não conseguiu estabelecer um piso salarial. Fiscalizar a atividade e o exercício ilegal da profissão apenas engorda a lista de problemas. “Não temos gente suficiente, há uma equipe de seis pessoas para fiscalizar as centenas de bares e festas que ocorrem na cidade”, confessam. Mesmo assim, eles continuam otimistas. “É trabalhoso, os desafios são grandes, mas vamos fazer dar certo”, confia Alcyr.

Quem não comparecer à sede e tiver débito superior aos três anos estipulados será desligado. A Ordem dos Músicos do Pará planeja colocar em prática projetos para conquistar benefícios para a categoria. Entre as ações estão projetos de lei e convênios encaminhados à Assembleia Legislativa do Estado do Pará o convênio com a Secretaria de Estado de Educação para o fornecimento de profissionais da área no ensino da música nas escolas. “Vamos fomentar material humano do magistério da música. O processo já está tramitando e acredito que ainda este ano esse convênio saia”, afirma Marcos.

Estuda-se com uma instituição federal a possibilidade de financiamento da “Cidade da Música”, que prevê a construção de um conjunto habitacional, retiro dos artistas e anfiteatro. Além disso, há ainda a iniciativa de projeto de lei de incentivo cultural de redução de carga tributária para os empresários que estimulam a execução de música ao vivo nos estabelecimentos do Estado. “Estamos com vários convênios que de fato vão inviabilizar a atividade dos músicos que não estiverem cadastrados na ordem”, diz Marcos Guimarães. E a lista não acaba aí, a diretoria negocia com o INSS alternativas conseguir a aposentadoria coletiva de músicos que nunca contribuíram com a instituição.

“Que uma parte seja paga pelo governo e o resto tenha a anistia”, exemplifica o presidente. A Ordem fechou ainda uma parceria com a União Paraense dos Servidores Públicos que permite ao músico registrado acesso a atendimento médico, ambulatorial e também descontos na aquisição de instrumentos musicais. “O que se está tentando agora é obter credibilidade e receber a boa vontade dos músicos”, aponta Alcyr. O vice-presidente deseja que os colegas do setor acreditem na seriedade do trabalho que será desenvolvido. “Que os músicos entendam que a gente só tá tentando ajudar o coletivo. A gente fica até o momento que for sério. No momento que deixar de ser sério a gente sai”, discursa.

Cinco décadas de história
Para as comemorações dos 50 anos da Ordem dos Músicos do Brasil, celebrado em novembro de 2012, a nova gestão quer organizar um festival de música, uma premiação dos melhores do ano, além de lançar uma campanha para estimular a profissão e convidar os músicos paraenses a conhecerem o trabalho da Ordem.

O que faz a Ordem dos Músicos do Brasil?
Fiscaliza o exercício profissional da atividade dos músicos

Onde fica a sede da Ordem no Pará?
Rua 15 de novembro, 226.

Horário de funcionamento: 9h às 17h30
Fones: 3212-7060/8897-3631

Para entrar na Ordem
A Ordem divide o músico em duas categorias. O profissional, que tem diploma ou licenciatura e bacharelado na área. E o músico prático, comumente chamado de autodidata. Para adquirir a carteira que garante o exercício legal da profissão, o candidato deve solicitar o agendamento uma avaliação com a banca examinadora, composta por três profissões da Ordem.

Na internet:
www.ombpa.blogspot.com/

Sobre Chico Terra

Este site é independente e sobrevive de pequenos anúncios e doações. Deposite qualquer quantia na conta Banco do Brasil AG2508-8 CC38020-2 e colabore para a manutenção deste espaço independente da cultura e informação da Amazônia.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Parceiro

Relaxando corpo e mente

Lançamento

Música da semana

Instagram do Chico Terra

Valeu, mestre! Toca Amazônia agora na tv web
Via CHICOTERRA.COM Flagra de pura ternura. Faculdade Immes ganhou uma especialista que vai repassar conhecimento aos futuros assistentes sociais do Amapá. Parabéns professora! Viva Rebecca! No bar do Nego.

Estatísticas

  • 934,880 visitas únicas desde 23/04/2012
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 12.330 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: