Amazônia, Brasil, Justiça, Política

Justiça determina suspensão do contrato de locação do anexo da Assembleia do Amapá

O MP-AP propôs Ação Civil Pública logo depois de concluir que o imóvel é de propriedade do deputado Eider Pena e foi alugado pela ALAP sem licitação

Deputado Eider Pena alugou imóvel para a Assembléia sem licitação

A Justiça do Amapá concedeu pedido de liminar ao Ministério Público Estadual que propôs Ação Civil Pública contra os deputados estaduais Moisés Souza e Eider Pena, a corretora de imóveis Lia de Jesus Menezes, a subprocuradora da Assembléia Legislativa do Amapá Gláucia Costa Oliveira, a empresária Edna Auzier e o presidente da CPL da ALAP Janiery Torres Everton, por ato de improbidade administrativa.

Segundo a procuradora-geral do MP-AP, Ivana Cei, Moisés Souza contratou o aluguel de um imóvel, que pertence ao deputado Eider Pena, como confirmado por ofício expedido pela SEMDUH, com a finalidade de abrigar o anexo da Assembleia Legislativa, sem a devida licitação e sem obedecer aos ditames da Lei Federal que rege as normas para licitações e contratos da Administração Pública (nº 8.666/93). O contrato foi firmado com a empresa Auzier ME, de propriedade da esposa de Eider Pena, Edna Auzier.

A locação tem custado mensalmente aos cofres públicos o montante de R$ 20.000,00. “Não há evidência de que tenha havido qualquer pesquisa de mercado para constatar que o imóvel locado era o único disponível na cidade com condições para atender a demanda da Assembleia Legislativa, sendo que podemos encontrar, no entanto, imóvel semelhante, com aluguel de R$ 11.000,00. Sem contar que Eider Pena infringiu a lei, quando aceitou concorrer para a incorporação indevida de dinheiro público ao seu patrimônio”, alerta a PGJ.

Ao presidente da CPL e à subprocuradora da ALAP pesam as denúncias de que teriam contribuído para a improbidade, no momento em que omitiram a preocupação em efetuar a devida pesquisa de mercado para saber se o imóvel oferecido era o único em condições estruturais, e se o valor do aluguel era viável. O MP-AP contou ainda com o laudo Pericial Contábil-Financeiro, elaborado por peritos federais do Instituto Nacional de Criminalística, para apurar os fatos.

A Justiça concluiu que “há fortes indícios de violação aos princípios da moralidade e da impessoalidade, o que enseja a providencia jurisdicional assecuratória”, como consta na decisão liminar.

De acordo com os documentos em anexo na ACP, o contrato do imóvel terminou em abril deste ano, por isso a Justiça determinou a não prorrogação do contrato de locação e deu o prazo de quinze dias para que a Assembleia Legislativa se manifeste.

Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá

Sobre Chico Terra

Adquira o CD Fotografias da Amazônia de Chico Terra ao preço de R$20,00 e ajude na manutenção deste espaço de informação que é seu. Contato WhatsApp 96 99118-6505 ou baixe app.vc/chicoterra

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Notícias da Amazonia

Magazine Chico Terra

Magazine Chico Terra

Faça suas compras no conforto do seu lar com o máximo de confiabilidade. Experimente agora!

Podcasts&Programas

Na Baiúca do Chico Terra

Sai do meio, capeta! Dói! Mais coisa boa pra fazer dia 30. Veja entrevista com Aroldo Pedrosa na Tv web do CHICOTERRA.COM

Onde estamos

WhatsApp +55 96 99118-6505

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 6.357 outros seguidores

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 6.357 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: