Pesquisadores identificam meteorito rico em água e compatível com a superfície de Marte

Redação Horizonte MS / Foto: Carl Agee/Divulgação

Foto: Carl Agee
Foto: NASA

Pesquisadores financiados pela agência espacial norte-americana (Nasa), identificaram um meteorito rico em água e com material muito semelhante a composição geológica da superfície de Marte. A descoberta foi publicada na edição desta quinta-feira (3) da revista “Science Express”.

O meteorito batizado de NWA 7034, e apelidado de “beleza negra”, foi encontrado em 2011 no Deserto do Saara, ao norte da África, e pesa em torno de 320 gramas. Os pesquisadores trabalharam por mais um ano sobre o objeto e concluíram que a amostra se formou há 2,1 bilhões de anos, durante o começo do período geológico mais recente de Marte, chamado Amazoniano, e que também possui dez vezes mais água que outras amostras.

“A idade do NWA 7034 é importante porque é significativamente mais antigo do que a maioria dos outros meteoritos marcianos”, explicou Mitch Schulte, cientista do Programa de Exploração de Marte, da Nasa.

Para Schulte, agora os pesquisadores têm uma visão sobre parte da história do planeta vermelho, em um momento crítico de sua evolução, quando havia atividade vulcânica e condições ambientais muito diferentes.

Foto: NASA
Foto: NASA

De acordo com as análises, o NWA 7034 possui uma textura diferente do grupo de meteoritos conhecidos como “SNC”, sigla referente aos tipos de pedras marcianas chamadas Shergotty, Nakhla e Chassigny.

“Ele é feito de fragmentos cimentados de basalto, uma rocha que se forma a partir de lava esfriada rapidamente, rico em minerais de feldspato e piroxênio. Essa composição é comum em amostras da Lua, mas não em outros meteoritos marcianos”, afirmou Andrew Steele, pesquisador do Laboratório de Geofísica do Instituto Carnegie de Ciência, nos Estados Unidos, e um dos autores do estudo.

O grupo “SNC” possui 110 rochas que auxiliaram os cientistas a formar o conhecimento que se tem da geologia de Marte. Porém o ponto de origem dessas rochas não é conhecido, e dados recentes de missões enviadas ao planeta vermelho apontam incompatibilidade da superfície com as amostras do grupo. No entanto, a composição do NWA 7034 possibilitou que sua origem fosse traçada.

“A rocha basáltica presente nesse meteorito é semelhante à encontrada na crosta ou no manto superior de Marte. Sua química é consistente com uma origem na superfície do planeta e uma interação posterior com a sua atmosfera”, disse Carl Agee, pesquisador da Universidade do Novo México e coordenador da pesquisa.

Os pesquisadores acreditam que a grande quantidade de água identificada no meteorito, pode ter se originado a partir da interação entre as rochas de Marte e a água, então presente na superfície. Outro fator no objeto, que o torna único, seria resultado do contato dele com a atmosfera do planeta.

Para o administrador John Grunsfeld, do Diretório de Missões Científicas da Nasa, esses resultados podem servir de referência para o explorador Curiosity, que está em Marte desde agosto, coletando amostras na Cratera Gale em busca de materiais orgânicos.

Fonte: Horizonte MS

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: