Contador do grupo de Cachoeira se entrega à PF e tenta habeas corpus

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Após quase um ano foragido, Geovani Pereira da Silva, que trabalhava para o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, se entregou espontaneamente na manhã desta segunda-feira (14) à Polícia Federal em Anápolis. Ele é apontado pelas investigações da Operação Monte Carlo como o contador do grupo que comandava a exploração dos jogos ilegais em Goiás.

O advogado Calisto Abdala Neto, disse ao G1que Geovani chegou à sede da PF por volta das 9h40. Com prisão decretada desde o fim de fevereiro do ano passado e com uma condenação na Justiça Federal, ele tenta, segundo o defensor, um habeas corpus para ter o direito de responder em liberdade.

O recurso, protocolado em 14 de dezembro de 2012, pede extensão de benefício que foi dada aos outros réus do processo. O pedido prevê que o contador apele da sentença em liberdade definitiva.

“Ele tem filhos pequenos e famílias e precisa voltar ao convívio dessas pessoas”. Segundo ele, Geovani permaneceu em Goiás todo o tempo em que esteve foragido.

Geovani foi condenado por corrupção e formação de quadrilha a 13 anos e 4 meses de prisão. O juiz Alderico Rocha Santos, da 5ª Vara Federal de Goiás, proferiu a sentença em dezembro do ano passado.

O delegado regional de PF em Anápolis, Angelino Alves de Oliveira, informou que Geovani será transferido para a superintendência em Goiânia, nesta tarde, onde deve passar à noite. Posteriormente, o preso será encaminhado para o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

 

Fonte: Expresso MT

Deixe uma resposta