Cursos, jogos, roda de conversa e documentários em HQ dão o que falar no segundo dia do II EAHQ

Desdenhistas botando a mão no lápis no II EAHQ - Foto: Maksuel Martins
Desenhistas botando a mão no lápis no II EAHQ – Foto: Maksuel Martins

Além do curso de desenho do artista Otton Souza, o segundo dia do II Encontro Amapaense de Histórias em Quadrinhos contou com o início do curso de Stop Motion com o animador Paulo Emanuel (PA), que está acontecendo no SESC Araxá. A procura pelo curso foi tanta que as vagas esgotaram.

Segundo o próprio Emanuel, o curso tem a intenção de transformar os alunos em produtores, e que o interesse dos alunos em aprender este tipo de animação ajuda na multiplicação e aumento da produção do stop motion. Até o final do curso, os alunos produzirão um vídeo que será postado no canal You Tube, para isso noções deste tipo de animação como roteiro, cenário e concepção serão repassados aos aprendizes.

 Enquanto isso, no auditório do MIS, Thiago Conceição juntamente com a galera do Coletivo AP Quadrinhos participaram da roda de conversa “Panorama da Animação 3D, falando a respeito da utilização deste recurso no audiovisual e sua relação com os quadrinhos. Após a roda de conversa, Thiago foi direto para a Escola SESC para dar continuidade ao curso sobre o mesmo tema, que tem despertado grande interesse dos fãs de animação do estado.

Às 18h30, mais uma sessão de filmes para os otakus de plantão com o anime japonês “Perfect Blue”, do diretor Satoshi Kon.

 E a programação foi encerrada com “Reflexões sobre HQs Documentais” sob a responsabilidade de Dani Gonçalves, roteirista do Coletivo AP Quadrinhos, que explicou o histórico das histórias em quadrinhos desde sua marginalização até seu ápice, assim como, apresentou um segmento pouco conhecido e utilizado no universo hq, o documentário em quadrinhos. Dani apresentou um documentário hq produzido por ela e pelo colega Igor Reale, “Campo Alegre”, que retratou a chacina da família Magaive, ocorrida em 1994, no estado do Amapá.

As reflexões deram o que falar e o público participou dando suas impressões e opiniões. O interesse no assunto, que em termos de produção é vanguarda no estado e no país, foi tanto que destes apontamentos surgiu a ideia de se criar um núcleo de pesquisa sobre histórias em quadrinhos, afim de dar suporte teórico para projetos experimentais e também para futuros documentários em hq no estado. Resumindo, o segundo dia do II EAHQ deu o que falar!

 Mas, a programação não terminou! Nesta sexta-feira ainda tem mesas de debate, sala de jogos, banco de scan e loja AP Quadrinhos para aproveitar! Então, vem logo pro Teatro das Bacabeiras participar do maior evento de quadrinhos do estado do Amapá.

Museu da Imagem e do Som Amapá

Deixe uma resposta