Embrapa Amapá participa de programa de desenvolvimento do Vale do Araguari

Uma equipe técnica da Embrapa Amapá reuniu-se com o titular da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia (Setec), Antonio Claudio Almeida de Carvalho, na tarde da última quarta-feira, 15/5, para definir as linhas dos projetos da instituição de pesquisa que serão submetidos aos editais do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico dos Sistemas de Produção no Vale do Araguari (Prodetec), lançado pelo Governo do Estado. Participaram da reunião, pesquisadores e analistas da Embrapa que atuam em pesquisas e ações de transferência de tecnologias das áreas de recursos florestais, pecuária, agricultura e aquicultura e pesca. O encontro aconteceu no auditório da Embrapa Amapá e contou também com a participação do presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amapá, Antônio Carlos Lima Junior, e do gerente do Núcleo de Ações Estratégicas da Setec, Ismael Braga.

O Prodetec tem como foco a promoção de melhorias tecnológicas nos sistemas de produção agropecuária na região do Vale do Araguari. O programa é coordenado pela Setec e será viabilizado com recursos na ordem de R$ 2 milhões, valor repassado pela Empresa Ferreira Gomes Energia S/A como medida compensatória no processo de licenciamento ambiental para construção da Usina Hidrelétrica Ferreira Gomes, localizada no rio Araguari.

O secretário de Ciência e Tecnologia explicou que o Prodetec segue uma sequência baseada em três componentes: pesquisa básica e aplicada; formação e qualificação técnico-profissional e inovação; difusão tecnológica e desenvolvimento regional. “Cada componente, por sua vez, mantém subprojetos voltados aos produtores agrícolas, por meio de formação e qualificação técnico-profissional, além de cursos de especialização em Economia Verde, desenvolvimento do Arranjo Produtivo Local de Hortifrutigranjeiros nos municípios de Ferreira Gomes e Porto Grande, e ainda ensaios experimentais de inovação tecnológica”, acrescentou Antonio Claudio.

Capacitação para técnicos de extensão rural faz parte de projeto da Embrapa

O chefe geral da Embrapa Amapá, Silas Mochiutti, destacou a oportunidade que o Prodetec Araguari representa para a diversificação da carteira de projetos da instituição de pesquisa. “Saímos da lógica de apresentar e ofertar tecnologias e conhecimento, a tendência agora é disponibilizar soluções tecnológicas de acordo com as demandas apresentadas à Embrapa, seja pesquisa ou transferência de tecnologias”, afirmou Mochiutti. Ele citou como prováveis linhas de atuação da Embrapa no Prodetec Araguari a execução de projetos voltados para práticas agroecológicas – matriz da produção de alimentos orgânicos – e capacitação em diversas tecnologias agropecuárias para técnicos da extensão rural.

Dois subprojetos, a serem coordenados pelo pesquisador Jorge Federico Orellana Segovia, estão em fase de avaliação pelo Comitê Técnico Interno da Embrapa Amapá. A proposta intitulada “Inovações voltadas à pesquisa participativa no Arranjo Produtivo Local Hortifrutigranjeiro” consiste em cursos teóricos e práticos sobre a produção sustentável de hortaliças e frutas tropicais, além de visitas técnicas a produtores, empresas de insumos e pontos de comercialização. Os principais beneficiários, de acordo com o projeto, serão agricultores familiares, profissionais da extensão rural do Instituto Estadual de Desenvolvimento Rural (Rurap) das secretarias de agricultura dos municípios de Ferreira Gomes e Porto Grande. Entre os temas propostos para os cursos estão inovação tecnológica em solos e adubação, controle integrado de pragas e doenças em frutíferas, manejo de agrotóxicos, irrigação, produção, manejo e mercado de hortaliças tropicais.

O outro subprojeto proposto pelo pesquisador Jorge Segovia é intitulado “Inovação tecnológica para o APL Hortifruti do Araguari” e tem como objetivo promover o desenvolvimento do APL dos hortifrutigranjeiros nos municípios de Ferreira Gomes e Porto Grande. Para isso são indicadas pesquisas participativas e processos de inovação tecnológica desenvolvendo as cadeias produtivas de hortaliças e frutas tropicais, por processo de pesquisa participativa e indução à adoção de novas práticas por meio de unidades tecnológicas, unidades de demonstração e de observação.

Dulcivânia Freitas

Deixe uma resposta