População ganha as ruas em protesto

Após apitaço e pinturas nos rostos, os manifestantes do Fortaleza Apavorada caminharam em direção à avenida Beira Mar. Antes, o grupo havia se concentrado em frente à sede do Governo. Foto: Sara Maia
Após apitaço e pinturas nos rostos, os manifestantes do Fortaleza Apavorada caminharam em direção à avenida Beira Mar. Antes, o grupo havia se concentrado em frente à sede do Governo. Foto: Sara Maia

O movimento Fortaleza Apavorada ganhou as ruas ontem, 13, em protesto convocado por meio da rede social Facebook. As mãos vermelhas, já características do grupo, foram utilizadas para pedir ações imediatas do poder público contra a insegurança na capital cearense. Não foram apresentadas propostas concretas.

Segundo o comandante de policiamento da Capital, Carlos Ribeiro, pelo menos três mil pessoas estavam concentradas em frente ao Palácio da Abolição, sede do Governo do Estado, às 15 horas, quando o movimento teve início. No fim da manifestação, a organização do evento disse ter contabilizado dez mil pessoas.

Após realizar apitaço e pinturas de tinta vermelha nos rostos, os manifestantes desceram em direção à avenida Beira Mar. A caminhada se estendeu até as proximidades do Jardim Japonês. Durante o trajeto, uma parada foi feita perto da rua Tibúrcio Cavalcante para leitura de um manifesto cobrando ações na área da segurança pública.

Camisa

A estudante Lara César, 26 anos, vestiu a camisa do movimento. Para ela, a insegurança é tão grande que não é mais possível andar com tranquilidade. “Até dentro das faculdades temos assaltos e sequestros”, lamenta.

Por volta das 17 horas, ainda nas proximidades do Palácio, as avenidas foram fechadas para dar passagem ao trio elétrico e à multidão de manifestantes trajando camisetas pretas e vermelhas, amparados por faixas e cartazes com pedidos de paz.

Ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), policiais do Batalhão de Policiamento Turístico da Polícia Militar (BPTur) e agentes da Autarquia Municipal de Trânsito, Serviços Públicos e Cidadania (AMC) deram suporte para a realização do evento. Era possível ver policiais durante todo o trajeto.

Policiamento

Depois do encerramento, nas vias próximas, o policiamento continuava intenso, com homens posicionados em cada quarteirão.

A representante comercial Andreia Lobo, 37, disse que Fortaleza seria um bom lugar para se viver se a população tivesse segurança pública efetiva. “As pessoas deveriam estar mais envolvidas, cobrar mais. Isso já vem da cultura do brasileiro: aceitar coisas erradas passivamente.”

O Fortaleza Apavorada surgiu em 30 de abril deste ano como um grupo no Facebook. A página chegou a ser suspensa duas vezes, quando já contabilizava mais de 20 mil pessoas. (ver serviço).

Veja o vídeo do protesto:

Serviço

Fortaleza Apavorada

Deixe uma resposta