Soltura de filhotes de tracajás movimenta comunidade de Pracuúba

A ação faz parte de pesquisa da Embrapa Amapá

Como parte da pesquisa “Manejo e cultivo do Tracajá: Uma alternativa ecológica e social para o desenvolvimento rural sustentável no Amapá”, a Embrapa Amapá realiza na manhã do próximo sábado, 6, a soltura de filhotes de tracajás. A ação acontecerá na localidade Retiro São Tiago – Ilha da Ponta Baixa, município de Pracuúba (AP), com a parceria do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) e do produtor Mário Vaz Brito, que dedica-se à proteção das populações de tracajás no Retiro São Tiago. Dirigentes e técnicos de diversas instituições locais e moradores de várias localidades no entorno do Retiro São Tiago participarão da programação de soltura dos filhotes de tracajás. Antes desta etapa de soltura, foi feito o trabalho de localização dos ninhos e transferência de local dos ovos dos tracajás para uma área segura. Aproximadamente três mil ovos foram depositados na incubadora instalada pela Embrapa, onde ficaram até a eclosão. Em seguida, foram levados para um berçário, onde ficarão até o dia da soltura.

O Projeto Tracajá foi iniciado em 2012 e tem prazo para ser concluído em 2015. Envolve parcerias com equipes do Ibama, Instituto de Desenvolvimento Rural do Estado d Amapá (Rurap), Agência de Pesca do Estado do Amapá (Pescap) e o produtor Mário Vaz Brito. Nesta ação específica de soltura dos tracajás a Embrapa conta com o apoio do Rurap, Prefeitura de Pracuúba, Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia (Setec), Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), Imap e deputado Bruno Mineiro, atualmente licenciado da Assembléia Legislativa e ocupado o cargo de Secretário Estadual de Transportes.

O objetivo principal desta pesquisa da Embrapa é desenvolver o cultivo de tracajás no município de Pracuúba, aliando informações da bioecologia que sirvam para subsidiar o manejo em ambiente natural visando a preservação da espécie e também a criação em cativeiro. Poderão ser geradas tecnologias para melhorias dos sistemas de cultivo, criando uma fonte de renda alternativa para a comunidade e o uso sustentável do tracajá.

O projeto também inclui ações diretas com a comunidade, com foco na preservação, manejo e cultivo do tracajá, direcionadas a alunos da rede pública de ensino, por meio de palestras, visita ao setor produtivo e distribuição de cartilhas.

O tracajá (Podocnemis unifilis) é um quelônio encontrado na bacia hidrográfica amazônica. As fêmeas chegam a atingir 12 kg e sua carapaça mede em torno de 50cm de comprimento. Os tracajás dependem dos rios e lagos para o seu crescimento, locomoção e acasalamento, deixando a água por algumas horas para se aquecer ao sol e para desovar. A sua desova é sazonal, no Amapá ocorre nos meses de agosto a outubro, durante a época da estiagem. As fêmeas depositam em média 20 ovos em covas de, aproximadamente 30cm de profundidade cavadas por elas nas areias fofas ou em solo mais compactado. A incubação dos ovos dura em torno de 60 dias, dependendo da temperatura e da umidade do ninho. Esta pesquisa da Embrapa na região dos lagos do Pracuúba, no estado do Amapá, busca responder diversas questões do conhecimento sobre os tracajás, indicando os caminhos a serem seguidos pelas comunidades no manejo, exploração e sustentabilidade do recurso.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: