GEA dá início ao projeto “Cadeias Produtivas do Arquipélago do Bailique Produzindo Cientistas”

“Depois que passei a fazer parte do projeto ‘Cadeias Produtivas do Arquipélago do Bailique Produzindo Cientistas’, minha rotina mudou totalmente. Antes, eu só chegava atrasado na escola e não tinha compromisso; agora, não. Sou um dos primeiros alunos a chegar, me sinto estimulado e com vontade de aprender mais sobre as riquezas de onde eu moro”. O relato é do aluno da Escola Bosque, Flávio Araújo, o qual resume sua satisfação em participar do programa.

Através do projeto “Cadeias Produtivas do Arquipélago do Bailique Produzindo Cientistas”, a realidade de quarenta e dois jovens, entre mulheres e homens que moram nas oito ilhas espalhadas pela região do Bailique, está sendo transformada devido à inserção dos adolescentes a pesquisa em suas comunidades. O projeto é realizado pelo Governo do Amapá, por meio da Secretaria da Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e Universidade do Estado do Amapá (Ueap), em parceria com a Escola Bosque.

O projeto tem como objetivo realizar o levantamento de dados da produção das cadeias do açaí, pesca, mel, agricultura, carpintaria naval e extrativismo vegetal na localidade. Por meio de questionários, os quarenta e dois alunos da Escola Bosque envolvidos farão a pesquisa de campo para verificar a quantidade produzida em cada cadeia especificada.

Segundo os coordenadores do projeto, o gerente-geral da Madeira/Móveis da Seicom, Bruno Cavalcante, e a professora da Ueap, Luiza Prestes, além das atividades, os estudantes têm direito a uma bolsa.

“Além de todas as ações que envolvem capacitação e métodos de pesquisa, os integrantes do projeto terão direito a bolsas do Programa de Bolsas de Iniciação Científica Júnior (Pibic Jr), no valor de R$ 100, para servir de estímulo aos alunos na área da pesquisa científica. O Pibic Jr é coordenado pela Ueap e temos ainda coordenando junto conosco os acadêmicos da universidade Wane Fortunato e Rafael Matos”, declarou o técnico da Seicom.

Para dar sequência ao programa “Cadeias produtivas do Arquipélago do Bailique produzindo Cientistas”, durante os próximos meses algumas comunidades do distrito serão pesquisadas pelos estudantes, sob orientação da Seicom e da Ueap.

Dessa forma, as informações com relação à produção das cadeias produtivas irão subsidiar os futuros investimentos do governo na própria região para proporcionar o desenvolvimento econômico, gerando oportunidades de emprego e renda para a população do Arquipélago do Bailique.

Lilian Monteiro/Seicom

Deixe uma resposta