Abertura da SBPC é marcada por vaias e constrangimento no Teatro da UFPE

Há dez anos que a reunião, cuja abertura ocorreu no Teatro da UFPE, não era realizada no Recife. Foto: Larissa Rodrigues/DP/D.A Press
Há dez anos que a reunião, cuja abertura ocorreu no Teatro da UFPE, não era realizada no Recife. Foto: Larissa Rodrigues/DP/D.A Press

A abertura da 65ª edição da Reunião da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), que ocorre no Recife na noite deste domingo (21), no Teatro da UFPE, foi marcada por constrangimentos. Ao ser chamado para compor a mesa, o secretário de Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Marcelino Granja, foi vaiado pelos presentes.

Ele participa do evento representando o governador Eduardo Campos (PSB). Há dez anos que a capital pernambucana não sediava a conferência. O objetivo do evento é levar aos participantes um panorama do se faz em ciência hoje no Brasil.

Munidos de faixas, professores da rede municipal do Recife também aproveitaram a cerimônia para protestar contra os descontos sofridos nos salários, devido à greve de 15 dias que a categoria realizou entre os meses de maio e junho. A coordenadora geral do Simpere (Sindicato Municipal dos Professores de Ensino da Rede Oficial do Recife), Simone Fonseca, afirmou que a ação também ocorreu em apoio aos rodoviários. “Os motoristas e cobradores recebem salário de fome”, disparou.

A Reunião da SBPC vai até o dia 26 de julho e neste ano traz como tema “Ciência para o novo Brasil”. A homenageada será a arqueóloga Niéde Guidón, que atua como professora visitante da UFPE, e o linguista Luiz Antonio Marcuschi, um dos primeiros docentes do Programa de Pós-Graduação em Letras (Linguística) da universidade.

Até a próxima sexta-feira serão oferecidas 266 atividades, com a participação de pesquisadores renomados do Brasil e exterior, e gestores do sistema estadual e nacional de C&T. Haverá 82 conferências, 87 mesas redondas, 60 minicursos, 16 encontros, nove sessões especiais, seis simpósios e seis assembleias.

Diário de Pernambuco com informações da repórter Larissa Rodrigues

Deixe uma resposta