Vpcê sabia? Que o orquidário municipal possui mais de 438 espécies de orquídeas. Dessas, pelo menos 32 espécies são nativas?

Conforme narra a mitologia grega, uma deusa trouxe do Olímpio para a terra a beleza das orquídeas. Assim também dona Terezinha Leite Chaves transportou para Santana, vindo da Paraíba, diversos vasos de orquídeas e bromélias para dar continuidade ao seu orquidário particular. Com o falecimento de dona Terezinha seus parentes doaram matrizes com mais de 13 anos à Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semam).

Muito antes de seu primeiro registro, ocorrido na segunda viagem de Cristóvão Colombo à América, as bromélias já eram conhecidas e utilizadas como alimento ou para extração de fibras pelos nativos americanos.

No Brasil, as bromélias passaram a ser admiradas e cultivadas em anos recentes, pois até pouco tempo eram consideradas como depósitos de pernilongos. Hoje, graças aos trabalhos dos pesquisadores, as bromélias estão em pleno processo de popularização, sendo marcante em jardins particulares ou públicos, com um imenso mercado consumidor a ser conquistado.

No Amapá, o governador Janary Nunes foi responsável pela construção do primeiro orquidário particular, construído na residência governamental. Já o orquidário municipal foi construído pelo então prefeito de Macapá Aníbal Barcellos há 13 anos, mesmo período em que Terezinha Leite começou a desenvolver o seu orquidário em Santana.

Os visitantes podem contemplar a dança de muitas Dendrobium phalaenopsis, Denphal phalaenopsis, Phalaenopsis, Palaenopsis hibrido, Vanda. Alem das nativas, que mostram toda sua exuberância na simplicidade da sua beleza. O orquidário municipal possui 438 espécies de orquídeas, dessas, pelo menos 32 espécies são nativas da capital.

A Semam realiza um trabalho minucioso e delicado de coleta e catalogação das espécies nativas. Muitas são encontradas frequentemente nos altos de mangueiras do centro da cidade. De acordo com Fátima Almeida, responsável pelo Orquidário Municipal, esse trabalho é uma forma de desmistificar a raridade da planta.

Através do trabalho de coleta nos distritos da capital foi possível identificar uma das mais raras plantas trepadeiras pertencente à família das orquidáceas, a Vanilla, planta muito utilizada na perfumaria e indústria de alimentos, suas flores são em regra vistosas e muito perfumadas, possuem alto valor econômico e comercial e é encontrada em grande quantidade no distrito do Maruanum.

O mundo das orquídeas é tão vasto e interessante que o acadêmico de biologia, Bruno Wendel, escolheu como tema de seu TCC o orquidário municipal. “Escolhi as orquídeas como tema pelo incentivo familiar. Confesso que eu não tinha muita atração, mas estudando, acabei me apaixonando por elas”, diz o estudante.

Nenhum outro grupo no Reino Vegetal possui tanta diversidade quanto às orquídeas. São aproximadamente 25 mil espécies naturais e centenas de milhares de híbridas (um número difícil de medir devido ao seu intenso crescimento).

“As nativas não são tão atraentes para a decoração como as exóticas Phalaenopsis, mas têm um valor muito grande para nossa história, existem espécies aqui que não tem em nenhum outro canto do Brasil”. Estudos sugerem que as orquídeas possuem 120 milhões de anos na Terra, superando catástrofes e mudanças climáticas em toda esta trajetória, explica Wendel.

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semam), órgão que administra o orquidário, está aberta também a ações direcionadas à Educação, com o envolvimento das escolas que desejam levar alunos para aulas práticas ou visitas monitoradas.

O Orquidário Municipal fica localizado na Rua Clodoaldo da Silva Matias, 1530, Jardim Felicidade I. Contato: 9141-4387.

Jamile Moreira – Asscom Semam

Contato: 8132-8993

Deixe uma resposta