GEA e Conselho Federal de Medicina lançam campanha de prevenção ao escalpelamento

Agência Amapá

Anualmente, o Governo do Estado, em parceria com a Capitania dos Portos, realiza campanhas de prevenção e erradicação do escalpelamento no AmapáO Governo do Amapá aderiu à Campanha Nacional de Prevenção ao Escalpelamento, uma iniciativa do Conselho Federal de Medicina (CFM). O lançamento acontecerá no dia 2 de setembro, às 9h, no Auditório Waldemiro Gomes do Museu Sacaca. Com enfoque na Região Amazônica, a campanha será voltada para a conscientização e sensibilização de médicos.

O escalpelamento é um problema de saúde pública que assombra as regiões amazônicas ribeirinhas e que ocasiona consequências drásticas, tanto físicas quanto emocionais e sociais na vida de suas vítimas. Portanto, faz-se necessária uma política de assistência social diferenciada a essas pessoas.

O Governo do Amapá atende pessoas vítimas de escalpelamento que participaram dos mutirões de cirurgias plásticas, iniciados no dia 9 de fevereiro de 2012. A Secretaria de Estado da Inclusão e Mobilização Social (SIMS) assumiu a responsabilidade de acolher as vítimas, dar a elas todo o suporte necessário e proporcionar o ambiente mais propício possível para que esse momento seja produtivo e reconfortante, tanto no sentido material e físico quanto no psicológico, assegurando o serviço como seu direito.

O Mutirão de Cirurgias Reparadoras às Pessoas Vítimas de Escalpelamento do Estado do Amapá iniciou seus trabalhos a partir de um Termo de Cooperação Técnica assinado pelo governador Camilo Capiberibe e pela Sociedade Brasileira de Cirurgias Plásticas (SBCP), com articulação da deputada Janete Capiberibe e da Defensoria Pública da União (DPU).

O documento trata sobre a realização de cirurgias reparadoras, tratamento médico, assistência social e psicológica; sobre o acolhimento, a concessão de benefícios como o aluguel social e a inclusão no programa Renda para Viver Melhor, sempre com o objetivo de garantir uma política de atendimento de saúde integral às pessoas vítimas de escalpelamento.

A equipe da SIMS, integrada por mobilizadores, assistentes sociais, psicólogos, educadores sociais, técnicos em nutrição, assistentes administrativos e motoristas, presta atendimento juntamente com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) para dar a essas pessoas a oportunidade de superar a vulnerabilidade social. 53 vítimas foram beneficiadas com cirurgias reparadoras, seis delas tiverem o couro cabeludo totalmente reconstruído.

A Associação de Mulheres Ribeirinhas Vítimas de Escalpelamento da Amazônia também  participou do projeto, encorajando as vítimas a participarem do Mutirão de Cirurgias Reparadoras com a finalidade de auxiliar no resgate da dignidade e na luta contra o preconceito.

Anualmente, o Governo do Estado, em parceria com a Capitania dos Portos, realiza campanhas de prevenção e erradicação do escalpelamento no Amapá, com informações nos principais meios de comunicação (especialmente o rádio), palestras e blitze educativas, sempre enfatizando a importância da instalação da proteção no eixo e no motor das embarcações.

Com o propósito de diminuir até extinguir os escalpelamentos do rol de acidentes navais, a deputada Janete Capiberibe aprovou a Lei nº 11.970/2009, que torna obrigatório o uso de proteção no motor, eixos e partes móveis das embarcações com vistas a conscientizar os usuários e cobrar a responsabilidade das autoridades competentes.

A campanha proposta pelo CFM somará esforços com as ações realizadas pelo Governo do Amapá no combate aos acidentes com escalpelamento, a fim de tornar mais segura a navegação ribeirinha no Amapá.

Mara Liliane Pinho/SIMS

Deixe uma resposta

WhatsApp chat