Centro Cultural Franco Amapaense comemora sucesso do curso de Francês para as Crianças

Com o objetivo de levar educação e cultura alternativa à sociedade, o Centro Cultural Franco Amapaense comemora o sucesso das oficinas e cursos desenvolvidos pela instituição. Entre as atividades, destaque para a procura de vagas no curso Francês para as Crianças. A atividade é voltada à faixa etária de 8 a 14 anos, incluindo a oficina de Scrapbook, técnica de produção artesanal para montagem de álbuns e de quadro fotográficos.

Segundo a diretora do Centro, Josiane Ferreira, o curso Francês para as Crianças visa ampliar o público infantil interessado em aprender o idioma. "Percebemos que a procura é grande, então resolvemos abrir essa turma experimental e vivenciamos 100% de sucesso. Não houve desistência desde o começo, em agosto. Ao todo, são 20 crianças", lembrou.

A professora Daniela dos Santos citou que a turma é bastante esforçada, o aprendizado é mais rápido e o desenvolvimento acelerado. "Eles aprendem através do método lúdico, saem daqui falando, escrevendo, escutando e brincando tudo em francês. A duração do curso é de dois anos", comentou.

A estudante Beatriz Yolana, 13 anos, diz que está se esforçando e aprendendo bastante, pois é o ensino que precisava. "Meu pai é francês e eu morava na Guiana Francesa. Minha mãe faleceu e vim para Macapá morar com a minha avó. Desde então meu objetivo é voltar para a minha cidade de origem e preciso falar bem a língua", justificou.

A oficina de Scrapbook é uma nova arte também considerada um sucesso. Com início nesta quinta-feira, 17, as vagas foram todas preenchidas. É uma técnica que trabalha com papel, tesoura, fitas, miçangas, entre outros artigos. O material servirá para produzir álbuns e quadros fotográficos

"Essa oficina é um projeto que incentiva a criar alternativas para incrementar a renda familiar. É uma forma de geração de emprego e renda que está dando muito certo, porque os participantes aproveitam para comercializar a produçãol", reforçou Josiane Ferreira.

Dorislene Muniz/Secom

Deixe uma resposta