Pesquisadores do Amapá recebem treinamento em coleta de gases de efeito estufa

A Embrapa Amapá participa de uma pesquisa nacional vinculada ao tema mudanças climáticas. Por meio do Projeto Fluxus, liderado pela Embrapa Arroz e Feijão (Distrito Federal), serão feitas análises de gases de efeito estufa em sistemas de produção de milho, soja e feijão-caupi e arroz cultivados em áreas do estado do Amapá. Inicialmente as amostras serão coletadas no Campo Experimental do Cerrado, localizado no km 45 da BR-156. O principal objetivo do Projeto Fluxus é avaliar a dinâmica de fluxos de gases de efeito estufa, fatores de emissão e o balanço de carbono em sistemas de produção de grãos no bioma Amazônia. Como parte desta pesquisa, uma equipe técnica da Embrapa Amapá recebeu esta semana uma capacitação orientada pelos pesquisadores Raimundo Cosme de Oliveira Junior (Embrapa Amazônia Oriental/Pará) e Cleuton Alessandro Batista Pereira, na área de fundamentos de coleta de amostras, equipamentos e interpretação e cálculos do material coletado.

Na manhã de quinta-feira, 25/10, os participantes estiveram no Campo do Cerrado, onde assistiram uma palestra sobre o Projeto Fluxus e em seguida conheceram diversos tipos de câmeras, seringas e frascos para acondicionamento das amostras. “No período da tarde fizemos um treinamento do passo-a-passo para obtenção da coleta de gases e definição dos parâmetros para chegarmos a uma boa informação sobre a amostra coletada”, acrescentou o pesquisador doutor Raimundo Cosme. Na manhã desta sexta-feira, 25/10, a equipe dedicou-se à etapa de interpretação e cálculos dos resultados decorrentes das análises a serem realizadas em materiais coletados no Amapá.

De acordo com Raimundo Cosme, a Embrapa Amazônia Oriental (Pará) dispõe do equipamento que fará a análise das coletas enviadas pela Embrapa Amapá. Trata-se de um cromatógrafo gasoso, que é usado para analisar o teor de metano e oxido nitroso, além de possibilitar o estudo do impacto de sistemas de uso da terra sobre a emissão de gases de efeito estufa a partir do solo. “As amostras serão enviadas ao Pará, lá nós faremos as análises e enviaremos o material de volta para a equipe do Amapá realizar os cálculos e verificarmos se há ou não incidência de gases de efeito estufa nestes sistemas de produção onde serão feitas as coletas”, explicou o Raimundo Cosme, engenheiro agrônomo com doutorado em geoquímica ambiental.

No Estado do Amapá, o responsável pelas atividades do Projeto Fluxus é o pesquisador doutor Rogério Mauro Machado Alves, e entre suas ações está a de mensurar o estoque de carbono total e de carbono labil, assim como de nitrogênio total e mineral em solos com plantio de milho, tanto no sistema convencional como no Sistema Plantio Direto (SPD). Os resultados esperados servirão para compor um banco de dados que será correlacionado com o fluxo de gases, especialmente metano, gás carbônico e óxido nitroso. Outra atividade de responsabilidade da Embrapa Amapá é a mensuração do fluxo de gases traco na cultura do milho, em sistema convencional e na palha, durante quatro anos. O pesquisador Rogério Alves e equipe colaboradora é responsável ainda pela atividade que vai medir o fluxo de gases de efeito estufa em áreas cultivadas com soja sob o Sistema Plantio Direto e feijão-caupi, no estado do Amapá. Neste caso, os trabalhos serão desenvolvidos nos Campos Experimentais do Cerrado e Mazagão.

Participaram da capacitação do Projeto Fluxus os pesquisadores da Embrapa Amapá, Rogério Mauro Machado Alves, Raimundo Pinheiro Lopes Filho, Nagib Jorge Melém Junior, Wardsson Lustrino Borges; o analista de transferência de tecnologia da Embrapa Amapá, Gustavo Spadotti, o assistente do Campo Experimental do Cerrado, Claudeci Trindade, além de Raimundo Nonato, Carlos Alberto de Marais e Jadson Dias (pós doutorando).

Deixe uma resposta