Despesas com higiene pessoal elevam o índice da Cesta Básica Regional em dezembro de 2013

A Cesta Básica Regional de Macapá, que calcula a inflação do preço médio dos produtos e serviços mais consumidos/utilizados pelos amapaenses, registrou aumento de 0,59% em dezembro de 2013. Ela custou R$ 1.232,51 ao orçamento de uma família composta por cinco pessoas com ganhos mensais de até seis salários mínimos.

Os dados são da Secretaria de Estado do Planejamento (Seplan) que apura, calcula e divulga, mensalmente, os índices inflacionários da cidade de Macapá, por meio de sua Coordenadoria de Pesquisa e Estratégias, Socioeconômicas e Fiscais (Copesef).

Em relação a novembro, a Cesta Regional do mês de dezembro ficou R$ 7,18 mais cara, impulsionada, principalmente, pelo grupo "higiene pessoal", com elevação de 2,30%. O grupo "alimentação" sofreu alta de 0,55% e o de "artigos de limpeza e manutenção de domicílio" registrou deflação de (0,95%).

Os itens que obtiveram a maior alta em alimentação foram o açaí, com taxa de 26,34%, em função da entressafra do produto; a massa de tomate, com alta de 6,59%; o charque (2,16%) e o frango, com aumento no preço médio de 2,74%. Por outro lado, a farinha de mandioca e a goma de tapioca registraram deflação de (-15,66%) e de (-4,02%), respectivamente.

Em higiene pessoal, a unidade do frasco do desodorante com 90 ml foi o item que apresentou a maior alta do grupo (9,32%). O preço médio comercializado em novembro era de R$ 6,87, enquanto que em dezembro, o valor médio registrado foi de R$ 7,51. Ainda que o papel higiênico tenha sofrido queda de (-10,07%), a deflação não foi suficiente para evitar que este grupo fosse o grande vilão do índice.

No grupo "artigos de limpeza e manutenção de domicílio", a maior taxa registrada foi no item detergente, com aumento no preço médio de 5,88% e menor variação ficou com a cera pastosa, cujo preço médio da lata com 450g registrou deflação (-38,52%).

A Cesta Básica Regional, criada pelo governo do Estado, em 1986, difere-se da Cesta Básica Oficial – estabelecida pelo governo Federal e calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) -, por conter nela produtos típicos da região, os quais não constam na lista nacional como o açaí, a farinha, a goma de tapioca, entre outros.

IPC – Índice de Preços ao Consumidor

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da cidade de Macapá registrou aumento de 1,05% em dezembro de 2013, o que corresponde a um crescimento de 0,12 p.p (pontos percentuais) em relação a novembro de 2013. Dos sete grupos que compõem o IPC, o de "habitação" foi o que apresentou a maior taxa: 2,76% em relação a novembro de 2013, impulsionado, principalmente, pelos alimentos para cães (20,12%), mão-de-obra (16,67%) e cimento, com variação positiva de (15,52%).

O acumulado do ano, o IPC foi de 10,42%. E no período de 12 meses (dez/2012 a dez/2013), a taxa ficou estabelecida em 12,70%. O IPC mensura os preços médios da cesta básica de consumo de bens e serviços de uma pessoa, neste caso, moradora da capital, com ganhos mensais de um a seis salários mínimos.

Júnior Nery/Seplan

Deixe uma resposta

WhatsApp chat