Detran e EAP promovem parcerias para melhoria do atendimento à população

Técnicos do Departamento Estadual de Trânsito do Amapá (Detran/AP) e da Escola de Administração do Amapá (EAP) reuniram-se nesta quarta-feira, 12, para informar que, no período de 17 de fevereiro a 9 de março, haverá a capacitação dos funcionários do Núcleo de Educação (Neduc) do órgão.

A capacitação contribuirá com a melhoria da qualidade de atendimento à população. A Agência de Administração do Amapá oferecerá cursos de Excelência no Atendimento, Redação Oficial, Elaboração de Release, Cerimonial, Ética no Serviço Público, Inteligência Emocional e Minicurso de Língua Francesa.

Segundo o gerente do Neduc, Arthur Maciel, a parceria entre as instituições viabiliza a oficina para os funcionários que atendem centenas de pessoas nas ruas e no departamento em que desenvolvem suas atividades.

"Esperamos uma mudança em que os servidores do Detran possam ser multiplicadores nas escolas municipais e estaduais na propagação das informações sobre a prevenção no trânsito do Amapá", explicou.

Para a técnica do Neduc, Tânia Soares, capacitar é transformar de maneira lúdica as palestras nas escolas, estabelecendo a relação visual e interativa entre os educandos.

"O diálogo direto entre os participantes fará com que todos possam expor suas ideias e dar sugestões, além de ampliar o conhecimento teórico prático nas oficinas", disse.

A facilitadora do curso de Libras da EAP, Sirlene Sarges, disse que, no período de aproximadamente 20 dias do curso, fará com que as pessoas possam obter mais formação sobre as questões do portador de necessidades especiais que também trabalham nas escolas.

" Hoje o Governo do Amapá valoriza os portadores de necessidades especiais, oferecendo cursos e ampliando a rede de conscientização sobre o acesso deles ao setor público", ressaltou.

De acordo como diretor-presidente do Detran/AP, José Aurivan Gomes da Silva, essa é uma determinação do governador Camilo Capiberibe que recomena que o tema sobre trânsito chegue aos servidores estaduais e sejam encontradas alternativas para ampliar a rede de conscientização no Amapá.

Deixe uma resposta