Falcão anuncia aposentadoria da Seleção por "falta de respeito" da Confederação

Eleito quatro vezes o melhor do mundo, atleta anunciou decisão por rede social

Falcão tomou a dianteira no protesto que, segundo ele, já vem sendo organizado há algum tempo. Foto: Nirley Sena/ A Tribuna de Santos
Falcão tomou a dianteira no protesto que, segundo ele, já vem sendo organizado há algum tempo. Foto: Nirley Sena/ A Tribuna de Santos

Para muitos o melhor jogador de futsal de todos os tempos, duas vezes eleito o melhor de um Mundial, o ala Falcão não joga mais pela seleção brasileira. Nesta quinta-feira, o jogador de 36 anos fez duríssimas críticas à atual gestão da CBFS (Confederação Brasileira de Futsal) e prometeu que boa parte dos jogadores que disputaram os dois últimos Mundiais anunciarão também a mesma atitude.

“Depois de 16 anos, estou me retirando da seleção de futsal. Saio de cabeça erguida, por que me entreguei de verdade ao esporte e ao meu país. Muitas vitórias, algumas derrotas, mas a coisa mais preciosa que se pode conquistar é respeito. E isso a CBFS nunca fez questão de ter nem comigo nem com nenhum dos meus companheiros de seleção. Somos descartáveis, inúteis em todos os sentidos”, reclamou Falcão, em sua conta no Instagram.

O problema do jogador é principalmente com o diretor de seleções Edson Nogueira, que assumiu o cargo em janeiro do ano passado. Foi ele o responsável por demitir o supervisor Reinaldo Simões e ao massoterapeuta Maurício Leandro. Em solidariedade, o técnico Marcos Sorato, o Pipoca, decidiu pedir demissão após ser campeão mundial. Toda a comissão técnica acabou mudada.

“A CBFS sempre foi administrada de alguma maneira, mas o momento e a administração atual é triste, pífia e deprimente. Chegando ao ponto de dar poder a um novo ‘diretor de futsal’ que simplesmente ‘limpou’ do treinador ao cozinheiro campeões do mundo”, revelou Falcão.

Depois, em entrevista ao SporTV, ele foi mais fundo às críticas. “Nosso massagista, que organizou o Mundial Feminino em Fortaleza foi mandado embora sem direito a nada. As coisas que a gente vê são absurdos com pessoas que nos cercam e precisam disso. As pessoas lá de trás, o massagista, o cozinheiro, que foi mandado embora porque era de outra direção. Eu não aceito mexer com quem está lá embaixo”, garantiu.

Os problemas, porém, não são apenas extra-quadra, segundo Falcão. “Sempre que a comissão técnica faz uma convocação, já são colocados na mesa seis ou sete nomes que não podem ser convocados. Ele (o técnico Ney Pereira) presta serviço à CBFS e aceita. Tem lista de nomes que não podem ser convocados. Tem sido assim com a Vanessa, que é a melhor jogadora do mundo e desabafou na internet.”

Segundo Falcão, outro jogador que está sendo boicotado é o goleiro Tiago. “O Tiago é o melhor goleiro do mundo, foi bicampeão mundial. Ele questionou o trabalho do preparador de goleiros, mas é um amigo do Edson. O Tiago foi e questionou: ‘Tem muita gente nos clubes, gente que quer trabalhar’. Foi numa boa. Eu ouvi o questionamento do Tiago, não foi nada demais.”

Expoente do futsal no Brasil, Falcão tomou a dianteira no protesto que, segundo ele, já vem sendo organizado há algum tempo. “O vôlei nos encorajou muito, chegou o momento. Eu tenho 16 anos de seleção, me deixei a disposição para ajudar. Eu o Vinicius (ex-capitão da seleção) começamos a conversar, juntamos muitos jogadores dos últimos dois Mundiais. Estamos em comum acordo para fazer uma mudança no futsal”, prometeu.

Apesar de já ter dito que não jogaria mais um Mundial pelo Brasil – queria guardar as lembranças do último, em que jogou depois de um AVC – e de ter dito agora que está se retirando da seleção, Falcão admite, porém, voltar a defender o País caso haja mudanças na CBFS.

Agência Estado

Deixe uma resposta