Novos professores reforçam a educação indígena no Parque do Tumucumaque

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) contratou 22 professores indígenas das aldeias originárias do Parque do Tumucumaque. Os novos docentes são do curso de formação profissionalizante nível médio. A ideia é reforçar o sistema de ensino indígena preservando os costumes, a cultura e a língua materna das etnias.

Além das aldeias do Parque do Tumucumaque, a Seed também capacita professores das regiões de Pedra Branca do Amapari e Oiapoque. No total, 50 educadores participam do curso de formação.

Só na região do Parque do Tumucumaque existem 1.102 estudantes indígenas em um total de 25 escolas, distribuídas em duas sub-regiões denominadas de "Missão" e "Bona". O difícil acesso a regiões que só pode ser feito por via aérea também é um dos motivos em manter na área um professor local.

Os 22 professores indígenas lecionarão a partir do 1º ao 5º ano do ensino fundamental. Todos são de origem da aldeia Tiriyó, localizada no Parque do Tumucumaque, fronteira do Brasil com o Suriname, na divisa Amapá e Pará. No local reside uma população de 1.400 índios.

A contratação dos 22 professores indígenas é assegurada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996: artigos: 26, 32, 78 e 79 e Plano Nacional de Educação (Lei 10.172 – 9 de janeiro de 2001), que trata sobre educação escolar indígena.

Avanço educacional

João Evangelista Tiriyó, formado em Pedagogia pela Universidade Federal do Amapá (Unifap), ministra aulas de Filosofia e Sociologia para uma turma de 39 alunos, todos fazem parte do curso profissionalizante de magistério nível médio. Para o professor, a oportunidade de multiplicar seus conhecimentos na terra em que nasceu é gratificante.

"Estou muito feliz em poder multiplicar conhecimento e passar adiante o que aprendi, dar aula aqui na aldeia é a realização de um sonho, aqui sigo incentivando e mostrando novos caminhos para a população indígena. Fico imensamente gratificado pela oportunidade de estar aqui e contribuir para o desenvolvimento saudável da tribo", declarou emocionado.

Na Escola Indígena Estadual Pawyenem, da aldeia "Missão" Tiriyó, três professores ministram aulas para os alunos do curso de formação nos turnos manhã e tarde. Todo o conteúdo é repassado na língua materna e na língua portuguesa.

Encontro

Em reunião durante a última visita feita à aldeia Tiriyó, a coordenadora da Unidade de Ensino Específico da Secretaria de Estado da Educação (Seed), Alcileia Ferreira, destacou a importância da formação dos professores locais para a educação indígena. "Formar um profissional de dentro da aldeia é maneira de abrir os caminhos do conhecimento de forma saudável, no sentido de preservar os costumes e a cultura dos povos indígenas, além de outros fatores que facilitam o aprendizado dos alunos", concluiu.

O diretor da Escola, Aturapoty Apalai Tiriyó, agradeceu o apoio do governador Camilo Capiberibe, que, através da Seed, está desenvolvendo os cursos de formação a professores indígenas. "Para nós a formação dos nossos professores é uma conquista de muito valor, todo apoio é bem-vindo", destacou.

Os indígenas solicitaram reforma da escola, alojamento dos professores, apoio para as escolas, ventiladores e ampliação do espaço, equipamentos e contratação de merendeiros. A escola possui 290 alunos. "Povo indígena precisa da formação para avançar".

O cacique Tito Tiriyó Simuto destacou que, devido à realidade e costumes dos indígenas serem diferentes dos "brancos", a dificuldade em manter professores não-índios nas aldeias aumenta, por isso é importante a formação dos índios. "Para o tempo integral, não adianta enviar professores de fora, o índio se acostuma em qualquer lugar e de qualquer jeito, porque é assim que nós estamos acostumados; o ‘branco’ não é assim, porque a realidade dele é diferente. Que nosso governador continue amparando os povos indígenas para que possamos avançar", finalizou.

Novas escolas

Dando continuidade ao trabalho de reestruturação na área da educação, na próxima terça-feira, 13, o governador Camilo Capiberibe vai inaugurar três escolas em aldeias Palikur, todas situadas na região do município de Oiapoque. As unidades educacionais são: Escola Estadual Indígena Moisés Iaparrá (localizada na aldeia Kumenê), Escola Estadual Indígena Karmwyuá (localizada na aldeia Karmwyuá) e Escola Estadual Indígena Yanawá (localizada na aldeia Epwaitcaet).

Deixe uma resposta