Como protesto iniciado por oito mulheres paralisa a PM do Espírito Santo

Camilla Costa

Da BBC Brasil em São Paulo

‘Decidimos protestar a favor deles, porque eles não têm voz’, diz uma das manifestantes. Foto: DIVULGAÇÃO MOVIMENTO DAS FAMÍLIAS PMES

A sexta-feira de Graziela começou com uma enxaqueca.
Aos 32 anos, casada com um policial militar e sem filhos (“só não temos ainda porque não cabe no orçamento”, diz), a capixaba tentava se recuperar da dor de cabeça em casa quando recebeu a ligação de uma amiga falando sobre um protesto que oito mulheres, também casadas com agentes de segurança, e quatro de suas crianças faziam diante do 2ª Companhia do 6º Batalhão da PM em Serra, na Grande Vitória.

“Assim que soube, me passaram o link de um grupo que formaram no Facebook com todas as mulheres de policiais militares do Estado. E me colocaram em um grupo de WhatsApp. Eu logo comecei a me mobilizar e formei o grupo que iria para o batalhão do meu marido”, disse à BBC Brasil.

‘Como enganei o próprio ladrão para recuperar meu laptop roubado’
Por que é difícil namorar no país europeu com a maior proporção de solteiros
“Há anos guardamos isso dentro de casa, fica do portão para dentro. Agora, elas explodiram e, como a gente sofre da mesma coisa, todas as outras se mobilizaram pela mesma causa.”

Ela afirma que a mobilização não teve a participação dos policiais, e diz que seu marido foi comunicado pelo telefone do que estava prestes a ocorrer: “Eu liguei para ele e avisei que estava indo protestar. Ele me disse ‘você não vai’, mas eu vim mesmo assim”.

Graziela agora é porta-voz oficial do Movimento das Famílias PMES, que protesta diante de todos os 19 batalhões e mais 10 companhias independentes da PM do Espírito Santo e impede, há três dias, a saída de viaturas para fazer o policiamento das ruas do Estado.

 

Continue lendo no site da BBC

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: