Projeto da Embrapa valoriza produtos da APA da Fazendinha

A perspectiva dos óleos de andiroba e pracaxi, extraídos de sementes coletadas na Área de Proteção Ambiental da Fazendinha (Macapá (PA), serem comercializados para o exterior por uma exportadora do Pará, foi o assunto de uma reunião entre a Embrapa Amapá, extratores da APA e a empresa 100% Amazônia, sediada em Belém. O encontro ocorreu em Macapá, com o objetivo de elaborar um plano de trabalho para estruturar a parceria comercial entre a empresa e extratores de óleo da Fazendinha. O primeiro passo é estabelecer uma relação mútua de valorização da floresta e em seguida uma compra-teste para avaliar a qualidade dos produtos e a viabilidade de mercado.

Esta ação faz parte do Projeto Kamukaia III, liderado pela Embrapa Amapá, com foco na valorização dos produtos florestais não-madeireiros na Amazônia. A programação constou de apresentação, na sede da Embrapa Amapá, feita pela pesquisadora Ana Cláudia Lira Guedes, líder do projeto, descrevendo o histórico das pesquisas realizadas pela Embrapa nesta Área de Proteção Ambiental e as atividades propostas para a comunidade na etapa atual do projeto. Foram apresentadas informações como dados do censo das andirobeiras, monitoramento de safra, teste de rendimento, monitoramento da regeneração, manual de boas práticas, e também as pesquisas que estão em andamento como o inventário de pracaxizeiros, entre outras.

A pesquisadora Ana Euler informou aos participantes sobre a articulação iniciada com a empresa 100% Amazônia, em relação à parceria com a Embrapa e produtores da APA. Coordenadora de comunicação e sustentabilidade da empresa, Mariana Faro, explicou as condições e o fluxo adotado para operacionalizar o relacionamento com comunidades. “Trabalhamos principalmente com comunidades tradicionais para obtenção de produtos florestais renováveis não-madeireiros. Comercializamos para o mercado externo o ingrediente processado de produtos segmentados em óleos, manteiga, pó e polpa, de produtos não-madeireiros renováveis da Amazônia. Buscamos uma aproximação cada vez maior, e estabelecemos relações de longo prazo com as comunidades fornecedoras porque em resumo a essência da 100% Amazônia é trabalhar pela conservação da floresta”.

Os extratores de óleo da APA da Fazendinha descreveram o histórico e a capacidade de produção da comunidade local, principais desafios e as expectativas da comunidade quanto à parceria com Embrapa e a empresa 100% Amazônia. No segundo e último dia da programação, a proposta foi discutida na própria APA, onde há atualmente 20 extratores de óleos de andiroba e pracaxi – a maioria mulheres.  “A intenção é beneficiar o óleo da andiroba e do pracaxi extraídos da nossa comunidade, mas precisamos nos estruturar. Por exemplo, com um espaço adequado para extrair o óleo. Na parte do conhecimento técnico temos uma boa parceria com a Embrapa, que trabalha com a gente a parte da organização e nas recomendações para a qualidade de óleo, como extrair um óleo bem limpo, tudo dentro das boas práticas”, ressaltou Nerivan da Silva da Conceição, presidente da Associação dos Moradores da Fazendinha e Instituto Socioambiental Cumau.

Dulcivânia Freitas

Deixe uma resposta