Orquestra de Câmara do Amazonas se apresenta em Belém neste domingo (12/11)

Orquestra amazonense executa releituras de peças célebres de Mozart e Vivaldi em concerto na capital paraense, dentro da agenda do 7º Festival Música na Estrada

 

Levando na bagagem releituras de obras de Mozart e Vivaldi, a Orquestra de Câmara do Amazonas (OCA) embarca neste final de semana para uma apresentação em Belém (PA). A orquestra, que faz parte dos Corpos Artísticos da Secretaria de Cultura do Amazonas (SEC), fará um concerto na Igreja de Santo Alexandre, no domingo (12/11), dentro da agenda da sétima edição do Festival Música na Estrada, iniciada no último dia 24 de outubro, na capital paraense.

 

O concerto da OCA em Belém terá no repertório releituras de duas obras famosas da música clássica: o “Requiem” de W.A. Mozart (1756-1791), na versão para cordas escrita pelo compositor eslovaco Peter Lichtenthal (1780-1853), e “As Quatro Estações” de Antonio Vivaldi (1678-1741), recompostas pelo músico contemporâneo alemão Max Richter.

 

“Como iremos nos apresentar na Igreja de Santo Alexandre, busquei ter no repertório uma obra de música sacra. A versão do ‘Requiem’ para cordas de Lichtenthal tem um caráter bem forte, mantendo a carga dramática mesmo sem o texto, e criando uma leitura da peça mais intimista”, explica Marcelo de Jesus, regente titular da OCA.

 

Programa diferenciado – Além do caráter sacro, a escolha de uma peça pouco executada no Brasil levou em conta a opção de compor um programa diferenciado, segundo De Jesus. “A OCA já participou de várias edições do Festival Música na Estrada, com repertórios de obras clássicas populares. Dessa vez, queremos mostrar o lado alternativo e experimental, que também é o forte da nossa orquestra”.

 

Essa opção justifica também a escolha das “Quatro Estações” de Richter, que teve estreia nacional no concerto de aniversário de 15 anos da OCA, no Teatro Amazonas, no último dia 17. “Richter é um compositor que representa o atual momento da música, passando pelo pop, pela música de cinema, pela música clássica. É uma obra minimalista, mas que mantém a carga musical e clássica, e ainda dialoga com a tecnologia digital. É a música de hoje”, avalia De Jesus.

 

Além da OCA, outro dos Corpos Artísticos da SEC que participa da atual edição do Festival Música na Estrada é o Coral do Amazonas. O conjunto vocal amazonense tem duas apresentações agendadas no Festival, em Santarém (PA), nos dias 25 e 26 de novembro.

 

Presença no Festival – A apresentação em Belém marca mais uma participação da OCA nas turnês do Festival Música na Estrada. A primeira delas foi em 2012, quando os músicos da orquestra amazonense se apresentaram num concerto em Porto Velho. Desde lá, nas edições subsequentes do projeto cultural, o conjunto teve a oportunidade de circular por todos os estados do Norte.

 

“Importante para nós é levar o nome do Amazonas em nossas apresentações. Temos bastante orgulho de participar desse projeto, que traz uma grande visibilidade para o Estado”, afirma De Jesus, que também se apresentou em Brasília por meio do projeto, num concerto à frente da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional.

 

A participação da orquestra amazonense também abriu espaço para outros grupos locais dentro do Música na Estrada, aponta o regente. “Após nossa primeira participação, o projeto foi se ampliando, e tivemos a oportunidade de levar outros Corpos Artísticos nas turnês do Festival. Com o Coral do Amazonas, que este ano irá a Santarém, todos os grupos profissionais da Secretaria de Cultura já passaram pelo Música na Estrada”.

 

Além das turnês, o Música na Estrada promoveu o intercâmbio entre grupos do Amazonas e artistas de outras regiões. Alguns exemplos foram a cantora paraense Jane Duboc, que veio a Manaus para um trabalho musical ao lado da Amazonas Band, e o pianista brasileiro de origem romena, Cristian Budu, que se apresentou num concerto com a Amazonas Filarmônica.

 

O Festival – Desde 2011, o Música na Estrada realiza programações gratuitas de arte e cultura nos estados do Norte do Brasil, promovendo acessibilidade, formação de plateia e aprimoramento musical através do intercâmbio e da valorização de conteúdos artísticos de várias regiões do País. Em sua sétima edição, o projeto cultural passa por Belém, Manaus, Santarém (PA), Porto Velho e, no ano que vem, por Boa Vista e Macapá.

 

O Festival é uma realização do Governo Federal, por meio do Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, com correalização da Kommitment Produções Artísticas e da Secretaria de Cultura do Amazonas (SEC). O Festival é apresentado pela Caixa Seguradora, conta com patrocínio máster do BNDES e patrocínio da instituição de ensino superior Estácio.

Deixe uma resposta