Defesa Civil de Rondônia alerta prefeituras para prevenção de riscos no período chuvoso

Embora o volume de chuvas ainda esteja abaixo da média nesse início de inverno amazônico, o momento exige mobilização das prefeituras. É isso o que a Defesa Civil de Rondônia vem buscando, conforme disse hoje (23) o coordenador desse órgão, tenente bombeiro Artur Luiz Santos de Souza.

“Chuvas ainda são regulares, mas convém a todos cuidar de suas deficiências para evitar situações aflitivas se ocorrer ventania e temporais que põem abaixo fachadas de estabelecimentos, telhados, arrancam árvores do lugar e influem no desbarrancamento”, ele alertou.

Das cidades mais atingidas por temporais em 2015, Buritis até hoje vive fases de reconstrução, informou o tenente Arthur Luiz. O município é amparado diretamente por recursos da União para reconstituição de serviços essenciais, via Ministério da Integração Nacional.

Ontem (22), a Superintendência Estadual de Licitações (Supel) abriu o último lote com apresentação de propostas para obras de recuperação de dezenas de pontes destruídas nos municípios de Guajará-Mirim (na fronteira brasileira com a Bolívia), Nova Mamoré e Pimenta Bueno.

Segundo o coordenador, os serviços estão avaliados em R$ 15 milhões, cabendo à Supel licitar as obras, e ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER) executar contratos e fiscalizá-las.

No biênio 2017-2018, a Defesa Civil se dedica a fiscalizar e avaliar resultados de obras de reconstrução em  áreas afetadas pela grande cheia de 2014.

“As prefeituras estão novamente alertadas, existe um trabalho de aproximação com os municípios”, anunciou o tenente Arthur Luiz. No entanto, ele voltou a apelar para que a defesa civil seja prioridade de todos e seja incluída na pauta de obras e projetos públicos. “A exceção é Porto Velho”, frisou.

Leia mais

Em 2015, mais de 40 toneladas de alimentos para Buritis
Governo limpa rio São Domingos para evitar alagamentos
Manutenção mantém tráfego em rodovias estaduais no período chuvoso


Fonte
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Ésio Mendes e Geovani Berno/Arquivo
Secom – Governo de Rondônia

Deixe uma resposta