Ibama remove 10 toneladas de peixe podre do Aeroporto de Guarulhos

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) removeu, na manhã desta quinta-feira (30), uma carga de 10 toneladas de pescado, que estava abandonada há cinco anos no Aeroporto de Guarulhos. O peixe apodrecido foi deixado no local quando a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) ainda administrava os terminais.

Segundo o superintendente do Ibama em São Paulo, José Edilson Marques Dias, a concessionária GRUAirport entrou com mandado de segurança na Justiça pedindo a retirada da carga, já que os custos de conservação do pescado em refrigeração eram pagos pela concessionária.

Dias informou que existem no aeroporto, atualmente, cargas de 15 empresas em situação semelhante. Todas são multadas diariamente em R$ 600 mil. “Depois de 90 dias, quando a carga não tem dono, ela já tem que ser destinada, e o Ibama começa a notificar o autor.”

Em nota, o Ibama informou que notificou a companhia aérea Latam, responsável pela carga, em outubro deste ano, determinando que fosse dada a destinação ambiental adequada. “Por recomendação dos órgãos fiscalizadores, a empresa irá incinerar a carga em Mauá, no interior paulista. Representantes do Ibama, da Receita Federal e o do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento irão acompanhar o procedimento”, diz o texto.

A Latam informou, em nota, que a incineração do material seguirá a legislação e exigências dos órgãos competentes.

Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil Edição: Nádia Franco

Deixe uma resposta