XVI Feira Pan-Amazônica do Livro começa hoje

A espaçosa estrutura do Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia mais uma vez sedia o encontro de milhares de pessoas com as ideias e emoções transcritas em páginas. A XVI Feira Pan-Amazônica do Livro traz para Belém 90 mil títulos literários, escritores portugueses – oriundos do país homenageado do ano -, nacionais e paraenses, além de diversas atividades que exaltam o ato da leitura. Depois de um ano inteiro de trabalho, e muito suor derramado durante dez dias de montagem, as portas para o mundo fantástico da escrita enfim estão abertas.

As duas semanas que antecederam a abertura da Feira deram uma prévia da grandiosidade do evento. Caminhões com cargas de livros e ferros para erguer os estandes não paravam de entrar e sair do estacionamento do Hangar. Uma super movimentação que contou com a colaboração de mais de 2 mil pessoas, entre funcionários da Secretaria de Cultura – órgão responsável pela realização do evento – e contratados para serviços terceirizados. “É muita gente envolvida, desde quem se dedicou a pensar a programação da Feira até os trabalhadores que cuidam da limpeza do local”, diz Andressa Malcher, coordenadora do evento. Antônio Cláudio Assis é uma destas pessoas. Com a tarefa de auxiliar a limpeza do pavilhão principal do Hangar, o trabalhador já está no local há mais de uma semana, tentando minimizar a sujeira promovida por quem entra e sai sem parar do espaço. “É muita gente passando o tempo inteiro, carregando caixas de livros e outras coisas. Eu fico aqui, tentando deixar tudo limpinho”, diz.

Com 223 estandes no espaço térreo da Feira e programações intensas de seminários, encontros literários, palestras e rodas de conversa, a responsabilidade de Antônio faz todo sentido. Estima-se que durante o evento 450 mil pessoas circulem pelos ambientes do Hangar. Com a presença de 500 editoras representadas, a expectativa é de um giro de R$ 14,5 milhões em comercialização de livros. “Os professores da rede estadual de ensino têm um crédito de R$ 200 para comprar produtos na Feira. Isso é um incentivo muito legal, que faz com que mais gente circule no evento e também aproveite as vantagens desse encontro de editoras”, considera Andressa.

O número expressivo de editoras significa literatura para todas as idades e gostos. Por isso, o espaço da Feira foi divido para contemplar os vários nichos de leitores, com atrações especiais em cada ambiente. No Hangar I ficarão expostos os livros de literatura geral. O Hangar II será dedicado a literatura infantil e as revistas, compondo um cenário mais descontraído para atrair as crianças. Já no andar superior ficarão concentradas as exposições e as atividades acadêmicas, culturais e artísticas, mais voltadas para a participação dos escritores.

Como destaque da programação, vale ressaltar algumas participações especiais. Entre os escritores que participarão do Encontro Literário, nomes como Ariano Suassuna e Luís Fernando Veríssimo – dois parceiros já cativos da Feira. No papo-cabeça, atividade voltada para o público jovem, a escritora Martha Medereiros fala sobre as escolhas da vida. Representando o país homenageado, escritores como Lígia Jorge e Gonçalo Tavares conversam com o público.

O jornalista e escritor Nelson Motta é convidado para falar sobre mercado fonológico na era digital dentro da programação específica sobre literatura e música. Na sala Pará, seminários e palestras dissecam a vida e obra do patrono da Feira, o escritor paraense Wilson Fonseca. “Todos estes participantes da Feira do Livro são escolhidos por um conselho consultivo que prepara uma programação diversificada, a fim de agradar a pessoas de mais variados gostos. O que queremos é que todos possam aproveitar as atividades da Feira, todas gratuitas”, ressalta Andressa.

Novidades

Esta edição da Feira do Livro traz três novidades que prometem agregar ainda mais valor ao encontro das letras. Acontecendo simultaneamente, dentro do espaço propositivo do evento, as quartas edições do festival de cinema Amazônia Doc e do Salão Internacional de Humor da Amazônia direcionam parte da programação para outras expressões artísticas. “O Amazônia Doc, que também leva parte da programação da Feira para o Teatro Maria Sylvia Nunes na Estação das Docas, traz para o evento exibições de filmes portugueses, brasileiros e locais”, explica Andressa.

Já o IV Salão Internacional de Humor da Amazônia aporta na Feira do Livro com quatro exposições. São 172 trabalhos de desenhistas e cartunistas de 37 países. “Adoramos a ideia de fazer as exposições dentro do espaço da Feira do Livro. É uma oportunidade de dar visibilidade ao trabalho de artistas incrivelmente talentosos, que lançam olhares muito particulares sobre nossa região”, considera Biratan Porto, curador do salão. Neste domingo, 23, às 18h, haverá a premiação do salão, com a presença do júri formado pelos desenhistas Carlos Amorim, Júnior Lopes, Luís Fernando Carvallho, Turcios e Karry.

Outra novidade da Feira do Livro que merece atenção especial é a participação da Liga Brasileira de Editoras (Libre) no evento. Formada por mais de 100 pequenas e médias editoras, a entidade realiza desde 2001 o projeto “Primavera dos Livros”, em que vende por preços especiais títulos que não teriam espaço nos grandes circuitos do mercado literário. “Estamos levando a Belém metade das nossas editoras associadas. Estamos muito felizes de levar para o seio da Amazônia um pouco do trabalho de escritores e editoras que lutam diariamente para sobreviver nesse mercado feroz. Isso é, de fato, a democratização do conhecimento”, analisa André Valuche, produtor da Libre.

“Esse espaço de democratização da leitura, do acesso à palavra impressa é importante para a construção de novas relações com a literatura. Teremos livros de pequenas editoras, venda de títulos por quilo! São várias possibilidades de acesso”, considera Robério Silva, representante da Associação Brasileira de Difusão do Livro, entidade que colabora na coordenação do evento.

A programação completa da Feira e agendamento para visitação do espaço e participação das atividades podem ser adiquiridos nos pontos de distribuição dentro do Hangar e pelo site www.secult.pa.gov.br.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: