Sarney montou o quebra-cabeça da sucessão de Macapá com Randolfe e Lucas

Chico Bruno

Entre o Natal e o Réveillon de 2011, o senador José Sarney (PMDB-AP), durante uma visita ao Amapá, precisamente na quarta-feira, 28 de dezembro, recebeu em sua casa macapaense o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e o vereador eleito Lucas Barreto (PTB) para aparentemente comemorar o fim de ano.

Agora, passado o primeiro turno das eleições, ao lembrar o encontro ocorrido entre Sarney, Randolfe e Lucas, pode-se dizer que o convescote foi na verdade uma reunião de montagem do cenário das eleições municipais em Macapá e Santana, ao contrário das ilações tiradas a época de que o convescote foi para aparar arestas e mágoas entre Lucas e Randolfe.

Ali, naquele momento, articulou-se que Lucas faria uma aliança com o DEM em Macapá e não com o PSOL, mas que Randolfe em uma aliança branca apoiaria o candidato do PTB/DEM em Santana, eximindo-se o PSOL de lançar candidato a prefeito naquela cidade.

Maquiavelicamente uma jogada de mestre, pois mantinha a aura do “novo” na candidatura do PSOL em Macapá e com a perspectiva de quem fosse para o segundo turno levaria o apoio de um ou outro.

Trocando em miúdos, se o candidato do DEM, Davi Alcolumbre, fosse para o segundo turno teria o apoio do PSOL e a recíproca foi verdadeira com o PTB/DEM apoiando Clécio Luis na disputa contra Roberto Góes.

Para tudo dar certo, porta-vozes do convescote venderam a versão que o PSOL estaria querendo reeditar 2010, quando Randolfe subiu no palanque de Lucas Barreto, mas que este por estar descontente com Randolfe migraria para o apoio ao candidato do DEM.

Agora fica claro.

Em 2010, Sarney montou uma estratégia com Randolfe e Lucas para assumirem o governo do Amapá, mas foram atropelados pela Operação Mãos Limpas e o poder escapou-lhes das mãos com a volta do PSB ao poder.

Agora tiveram sucesso, pois o PSB não percebeu a tramoia, apesar de que para ganhar em Santana foi preciso “armar” um escândalo surreal em um motel usando para tanto uma denúncia vazia.

Episódio, semelhante ao que levou a cassação dos Capiberibe, até agora mal explicado a população de Santana, mas que pode ter consequências, se o PT recorrer a Justiça Eleitoral solicitando a anulação do pleito.

Resumo da ópera.

Tanto em 2010 como agora, Sarney deixou o PMDB ao lado dos Góes para isolar o PSB o seu objetivo principal.

Se não deu certo em 2010 deu agora, com o PSB fora do segundo turno.

Lucas, Sarney e Randolfe unidos partem para a próxima empreitada em 2014, pois essa eles levaram.

Em 2012 o objetivo foi atingido. Por isso, para Sarney tanto faz Roberto ou Clécio.

Afinal ele está com um pé em cada canoa.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.