Elias Farias: Farinha pouca, meu pirão primeiro

Os interesses humanos podem ser individuais ou coletivos.

Elias Farias é Elias Farias é Servidor do MPU. Bacharel em Direito e Licenciado em Matemática

Excluindo os ensinamentos religiosos, em que o indivíduo, em nome da verdade, deverá sempre defender o bem, mesmo que isso lhe traga algum malefício ou desconforto material, o ser humano tende a proteger interesses tendentes ao social, se e somente se, esteja mais ou menos preservada sua integridade física, patrimonial e até moral.

Em política partidária isso se aplica muito bem.

É a versão filosófica do adágio popular: “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

Um pouco mais de farinha, então divido com meus familiares (exceção às mães que são capazes de doar sua porção de pirão ao filho mais ingrato e morrer de fome – tudo em nome do amor verdadeiro).

Uma porção ainda maior de farinha e o ser humano seria então capaz de dividir com um grupo ainda maior que a família – amigos, por exempo, mas tudo permeado pela barganha de algo em troca, nem que seja a demonstração de gratidão da(s) pessoa(s) beneficiada(s) ao concessor.

Portanto, acreditar piamente que um candidato eleito vai trabalhar pelo povo, pela democracia, pelo bem comum é, no mínimo, ingenuidade.

É claro que, se o eleito não possui uma mente ambiciosa e doentia, cabendo no conceito de ser humano razoavelmente ético, ele, e seu grupo, haverá de cumprir boa parte de suas promessas e se contradirá minimamente.

Mas, existem grupos políticos partidários que já nascem canalhas ao extremo. Nunca, nem mesmo enquanto ainda estão em busca do poder, tiveram a vontade de cumprir suas promessas de campanha. São dissimulados, individualistas e ingratos ao extremo.

E são esses grupos que o povo (que é apenas um conceito) deveria detectar sempre para nunca levá-los ao poder. Geralmente são de tendência direitista. Não se comportam como profissionais, são cínicos e irônicos. Não escondem das pessoas mais chegadas que são canalhas.

Já o restante, nasce razoavelmente comprometidos em dar efetividade as regras de um Estado Nacional, uma nação.

Mas, não se enganem. Isso tem prazo de validade, pois em um tempo razoável, começarão a trair a vontade dos homens de bem.

As Heloisas Helenas da vida são raras. Nascem fiéis às suas convicções e assim morrem.

O segredo é a consciência do povo. Usar os grupos políticos por pouco tempo, enquanto servem, depois dispensá-los.

Infelizmente, ocorre ainda o contrário: os grupos políticos usam os eleitores depois os descartam, os traem.

E o povo ainda vê num político um pop star.

Alguém que tem carisma pop, lança modas e clichês. Igual ao Michael Jackson e o Luan Santana. Infelizmente.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: