Roberto Góes pode fazer Macapá perder R$ 134 milhões para água

Um Contrato de Emergência entre o município de Macapá e o estado, através da CAESA, está na mesa do prefeito Roberto Góes desde agosto para ser assinado. Através dele, o município autoriza a CAESA a fazer os serviços e cobrar as taxas sobre o abastecimento de água da cidade. Sem ele, a companhia pode perder R$ 134 milhões do PAC 2 para estender a rede de água a 100% da população.
O contrato é emergencial e tem validade de 180 dias. Ele atende à Lei Federal 11.445/2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico, atribuindo competências aos municípios. Determina também que os municípios elaborem os seus planos de saneamento básico, sob pena de, após 2013, não terem acesso a verbas federais para saneamento.

No dia 07 de novembro último, houve uma audiência de conciliação, na 2 Vara Federal do Amapá, com a finalidade de discutir o plano municipal de saneamento de Macapá. Foi discutido nessa audiência, o edital de licitação para aquisição do projeto básico para expansão da rede de esgoto das cidades de Macapá e Santana, para 100% da população. Roberto Góes não compareceu, e por essa razão o juiz João Bosco Soas redesignou a audiência para 18 de fevereiro de 2013. Em seu despacho, João Bosco manda intimar os dois prefeitos.

A falta de elaboraçao do plano não se justifica por dificuldade de recursos. Tem R$ 800 mil na Caixa Econômica Federal disponiveis para fazer o plano municipal de saneamento básico de Macapá, mas a prefeitura não foi buscar. O plano é a primeira exigência para que os municípios se habilitem a linhas especiais de financiamento ou repasse de recursos federais para saneamento básico.

Márcia Corrêa

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.