Prefeito de Macapá Clécio Luis decreta Situação de Emergência no município

O prefeito de Macapá, Clécio Luís, decretou na manhã de hoje, 17, Situação de Emergência no município, com base na análise de dados oficiais dos órgãos municipais. Saúde, Urbanização, Administração, Finanças e Meio Ambiente são os setores considerados pela equipe técnica como essenciais, mas que, diante do estado de caos encontrado, precisa de atenção especial para funcionar adequadamente e prestar serviços para a população. O prazo de 90 dias foi pedido para que a Prefeitura encontre soluções e os problemas sejam resolvidos.

A falta de informações durante a transição fez com que somente agora a equipe de gestão, junto com funcionários da Prefeitura de Macapá (PMM), tenha conhecimento da realidade em que se encontra a administração municipal. As análises de documentos e informações obtidas de servidores, mostram um quadro de total irresponsabilidade com o governo e principalmente com a população. O prefeito declarou que esperava encontrar uma situação caótica, porém o caso é mais grave e requer medidas urgentes.

Administração – O diagnóstico apresentado mostra casos de total irresponsabilidade. Servidores recebiam valores acima da relativa ao cargo; crescimento dos gastos com a folha de pagamento em 2012, que saltou de R$ 7.466.780,33 para R$ 10.477.058,85; gastos excessivos com pagamento de cargos comissionados e contratos administrativos; indícios de pagamento de diárias para aumentar o valor do salário no final do mês, e outros. São apenas alguns exemplos que justificam os decretos.

Finanças – Neste setor foi descoberto dívida que compromete 50% do orçamento anual de 2013, que totaliza R$ 243.484.257,77. Este valor representa somente o que deixou de ser pago em 2012, não inclui a folha de pagamento de novembro, dezembro, 30% das férias de professores e segunda parcela do 13º salário. Há ainda uma dívida com precatórios referente a 2012 no valor de R$ 2.666.849,31, e a falta de recursos nos cofres municipais, devido a falta de cobrança de tributos, agravados pelo não lançamento do Calendário de Tributos, que deveria ter acontecido em dezembro.

Manutenção Urbanística- A inexistência de recursos para a realização de ações de limpeza e manutenção de serviços básicos, levou o prefeito Clécio a decretar também nesta pasta a Situação de Emergência. De acordo com o relatório, há risco de colapso no serviço de coleta de lixo por causa da quase paralisação do aterro controlado. Além da falta de estrutura financeira e de equipamentos, o inverno contribuiu também para o caos, nesta época as inundações tendem a crescer, a quantidade de lixo cresce, a água parada aumenta a possibilidade de epidemia de dengue, e a falta de manutenção da arborização traz prejuízos com a queda de árvores.

Meio Ambiente – No Parque Zoobotânico foi constatado que no local não há condições de habitar animais e a área precisa de reparos urgentes por questão de segurança de trabalhadores e animais. Houve uma diminuição na quantidade de animais, em 2010 eram 235 e agora foram registrados 61 100; os que ainda resistem sofrem com a falta de alimentação e medicamentos.

Saúde – O diagnóstico da Secretaria de Saúde do Município detectou situações dramáticas com total desorganização do setor e impossibilidade de prestar atendimentos básicos. Na folha salarial foram apontados desvio de funções e excesso de pagamentos ilegais e casos absurdos de irresponsabilidade administrativa que provocaram o desgaste. A falta de medicamentos, que também colabora com a crise, é um dano que se justifica com a denuncia feita semana passada de grande quantidade de remédios com prazo vencido ou mal acondicionados em depósitos particulares.

Diante da realidade incontestável, o prefeito Clécio decretou Situação de Emergência, mas assegurou que, junto de sua equipe está trabalhando para dar respostas positivas para a população. Ele afirmou ainda que, mesmo diante da situação, serviços continuam a serem realizados, como de limpeza de vias e canais, coleta de lixo, funcionamento dos postos de atendimento à saúde, e outros.

“Tínhamos consciência dos estragos que encontraríamos na Prefeitura, mas a realidade é pior. Estamos trabalhando para resolver os problemas deixados, para isso estamos externando o caos encontrado, relatando para a população, e com certeza vamos contar com apoio da comunidade, de outros Poderes, como Judiciário e Executivo e ainda dos Ministérios Públicos Estadual e Federal. Eles tinham conhecimento da situação e são parceiros da cidade”, finalizou o prefeito.

Deixe uma resposta