OMS está entusiasmada e cautelosa sobre cura de bebê infectado com HIV

 Criança foi tratada com medicamentos antirretrovirais em suas primeiras 30 horas de vida

Getty Imagens
Getty Imagens

A Organização Mundial da Saúde (OMS) manifestou nesta terça-feira (5) seu “entusiasmo e cautela” pela suposta cura nos Estados Unidos de um bebê infectado com o vírus de imunodeficiência humana (HIV).

“A OMS dá as boas-vindas à informação sobre esse caso de um bebê infectado com o HIV tratado com medicamentos antirretrovirais em suas primeiras 30 horas de vida e que aparentemente foi curado após um tratamento de 18 meses, mas lembra da necessidade de mais estudos para confirmar a descoberta”, declarou a agência da ONU.

Uma equipe médica dos Estados Unidos anunciou no domingo a cura do bebê, em um caso que pode abrir um novo capítulo no tratamento de crianças soropositivas. O bebê, uma menina nascida no Mississipi no final de 2010, recebeu um tratamento agressivo de retrovirais nas horas posteriores a seu nascimento, em uma prática rara.

Hoje a menina tem dois anos e meio e ficou sem tomar medicação durante todo o último ano, sem que tenham se manifestado sinais de um vírus ativo, segundo indicou Deborah Persaud, investigadora da Universidade de Johns Hopkins em Baltimore (Maryland) e principal autora do estudo que documenta o caso do bebê.

A OMS destacou que, se for confirmado, será o “primeiro caso bem documentado de uma criança infectada com o HIV que parece não ter níveis detectáveis do vírus após receber antirretrovirais e deter o tratamento durante um prazo substancial”.

“Este caso ressalta um possível novo enfoque para o tratamento de crianças em situação de alto risco cujas mães não receberam tratamento antes do nascimento. A OMS está entusiasmada com esse interessante caso e espera a confirmação dos resultados através de futuros estudos. Enquanto isso, manteremos as recomendações atuais de provas adiantadas do HIV em mulheres grávidas e de tratar com antirretrovirais todas as mães soropositivas”.

Para a OMS, “as implicações desse caso não estão suficientemente claras enquanto não houver mais informações disponíveis”, mas destacam a importância de diagnósticos adiantados para bebês e mães soropositivos.

EFE

Extraído de: R7

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.