Padre é preso acusado de pedofilia no Amapá

padre Miguel Arcângelo Vanin
padre Miguel Arcângelo Vanin

O padre Miguel Arcângelo Vanin, conhecido como “Padre Arcângelo”, foi preso na tarde desta quinta-feira, 11, em Mazagão Novo, município do Amapá. Ele é acusado de abusar sexualmente de um menino de 11 anos de idade.

De acordo com o inquérito policial que ensejou a representação pelo delegado, de prisão preventiva do padre, Miguel Arcângelo praticava atos libidinosos com a criança, dando-lhe em troca bombons de chocolate, terços e imagens santas.

As investigações sobre o caso de pedofilia iniciaram no último dia 27 de março, um dia depois que quatro adolescentes, que conhecem a vítima, foram ao Conselho Tutelar da cidade denunciar o episódio. Os menores, de 12, 14 e 16 anos, suspeitaram da prática sexual após observarem as conversas do reverendo com a criança, que, pressionada pelos colegas, confirmou o abuso.

De acordo com o depoimento do menino, os abusos sexuais aconteceram quatro vezes, todas no interior da casa paroquial de Mazagão, onde o padre morava. Em troca de bombons e imagens religiosas, Miguel Arcângelo tocava a criança em suas partes íntimas, assim como praticava outros atos libidinosos.

Num dos episódios em que a criança era abusada, os adolescentes que denunciaram a prática ouviram os gemidos do padre, segundo consta nos autos do processo, comandado pelo delegado Sandro Simey Torrinha, titular da Delegacia de Polícia de Mazagão.
Ainda segundo a criança, o fato não fora contado à sua mãe, por medo. Entretanto, em depoimento, a mãe confirma que o filho chegava em casa com os presentes.

Miguel Arcângelo Vanin tem 63 anos de idade, e celebrava suas missas na Igreja de Mazagão. O reverendo foi recolhido de acordo com mandado judicial para o Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).

De acordo com o Secretário de Estado da Justiça e Segurança Pública, Marcos Roberto Marques, trata-se de “um caso que aconteceu num município pacato como Mazagão. O episódio abala de maneira drástica toda a população daquela cidade e a sociedade como um todo, especialmente por se tratar de uma pessoa que tem a confiança da comunidade, trabalha pregando a paz e os bons costumes, e se utilizou dessa credibilidade para agir dessa maneira repugnante”.

A prisão preventiva do padre foi decretada pelo juiz da Vara Única da Comarca de Mazagão, Saloé Ferreira da Silva.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.