Escola Azevedo Costa faz estudo antropológico em comunidades afrodescendentes do Amapá

Como forma de estudar a cultura afrodescendente no Estado do Amapá, a Escola Estadual General Azevedo Costa inicia o projeto Pesquisa Antropológica "Ancestralidade Africana no Amapá" nas comunidades do Curiaú, Casa Grande, Curralinho e no bairro do Laguinho.

O coordenador do projeto, João Rodrigo Pessoa, explica que, em função de a escola estar localizada no bairro do Laguinho, rico em cultura afrodescendente e que é preservada através do Banco da Amizade, Poço do Mato, Marabaixo e o Centro de Cultura Negra-Famílias Tradicionais, houve necessidade de fazer uma atividade que envolvesse o colégio no ambiente histórico do bairro.

"O projeto busca fazer uma interação cultural da Escola Azevedo Costa com o bairro do Laguinho. Nossa escola já existe há mais de 50 anos e, de certa forma, nós não estávamos presentes nas atividades culturais, achamos que seria viável resgatar essa história através do projeto", enfatiza.

O projeto é de caráter científico e pedagógico. Será executado durante três anos (2014, 2015 e 2016) e envolve os alunos do ensino médio em atividades de pesquisa interdisciplinar, que trabalha com história, geografia, matemática, sociologia e biologia.

A aluna Jennifer Santana conta que é uma oportunidade de conhecer a história e o ambiente das comunidades remanescente dos quilombos no Estado. "Esse projeto vem oferecer para nós, alunos, a oportunidade de sair do ambiente escolar para conversar com pessoas que participaram da história do Amapá", destaca.

As pesquisas para o projeto iniciaram-se em agosto deste ano, através da aplicação de questionários e, como resultado, foi possível observar que as comunidades em questão apresentam problemas ambientais, sociais, econômicos e políticos.

O produto final da pesquisa será um artigo científico, previsto para ser publicado em 2016, que vai retratar o perfil socioeconômico dessas comunidades.

Amazônia Brasil Rádio Web ao vivo!

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.