Cientistas encontram primeiro ser vivo que não precisa de oxigênio

Com o nome de Henneguya salminicola, o parasita que pertencente à família das águas vivas pode mudar como procuramos vida dentro e fora da terra

Guilherme Carrara

Cientistas descobriram um parasita que quebra uma das regras básicas da biologia: seres vivos multicelulares precisam de oxigênio. O parasita nem ao menos tem o genoma que origina a mitocôndria, orgânela responsável pela respiração.

Com o nome de Henneguya salminicola, o parasita pertencente à família das águas vivas e pode mudar a forma de analisar os seres vivos.

O fato de que podem existir seres vivos independentes de respiração baseada no oxigênio, que até o momento só foi encontrado na atmosfera terrestre, pode mudar a forma de procurar vida em outros planetas ou ambientes em condições extremas.

Veja também:

Google pede para usuários trocarem o novo navegador Microsoft Edge pelo Chrome

Novo coronavírus afeta economia europeia

Como a respiração metabólica funciona
A respiração metabólica era até o momento a única fonte de respiração para os seres multicelulares, ou complexos, como podem ser chamados. A vida começou a desenvolver esse sistema há 1.45 bilhões de anos atrás, de acordo com pesquisa sobre a história da mitocôndria desenvolvida publicada pela revista Nature

As pesquisas apontam que a mitocôndria se juntou a outras bactérias em um sistema de cooperação e assim criou um novo tipo de ser vivo. Mas, pesquisadores da universidade de Tel Aviv, em Israel, apontam que o parasita descoberto perdeu essa função.

Veja mais no R7

Amazônia Brasil Rádio Web ao vivo!

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.