Editoras buscam tática para ‘salvar’ a livraria Saraiva

Educa

Publicadores de livros estão preocupados com quebradeira de vendedores; Livraria Cultura, outra gigante, entrou em recuperação judicial

Depois de verem a Livraria Cultura pedir recuperação judicial, por conta de seu endividamento, as editoras estão empenhadas em evitar que a Saraiva siga o mesmo destino, afirmam fontes do setor. O Sindicato Nacional das Editoras de Livros (Snel) convocou para esta terça-feira, 6,uma reunião para definir estratégias para negociar com a Saraiva, que acumulava dívida com fornecedores da ordem de 485 milhões de reais no fechamento do segundo trimestre.

O entendimento do setor é que a Saraiva seria “grande demais para quebrar”. Mesmo após o fechamento de mais de vinte lojas na semana passada, a companhia ainda é a maior rede do país, com 84 unidades, e também tem uma venda forte pelo e-commerce. Hoje, a participação da Saraiva nas vendas de livros estaria em cerca de 30%. Logo, perder uma cadeia de distribuição desse porte poderia afetar o fluxo de caixa de curto prazo do segmento.

O problema agora seria definir uma forma de negociar os débitos sem necessidade de recorrer à recuperação judicial – que garante ao devedor um período “sabático” de seis meses nos pagamentos aos credores. Para evitar a recuperação judicial, no entanto, a Saraiva estaria pedindo cortes de quase 50% nos valores devidos e também um prazo longo para pagamento. Apesar da disposição das editoras em conversar – tanto para recuperar dívidas que se estendem por até dois anos quanto para evitar a falência de pequenos selos de livros -, esse não é o tipo de negociação que se resolva facilmente.

Saiba mais na Veja

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

INFORME SOCIAL - EVENTO DESTA SEGUNDA-FEIRA 18/11 NA ORLA DO PERPÉTUO SOCORRO