Amostras lunares armazenadas desde 1972 serão finalmente estudadas

Educa

Tadeu Antonio Mattos

Há quase 50 anos, 3 amostras lunares foram armazenadas na Terra pela NASA depois das missões Apollo 15, 16 e 17; agora, esses materiais intocados serão finalmente estudados por 9 grupos de cientistas escolhidos pela instituição. O anúncio foi realizado durante um discurso sobre o orçamento da agência espacial no Centro Espacial John F. Kennedy.

Preservar as amostras foi uma espécie de investimento para o futuro. “Armazenamos intencionalmente para poder tirar vantagem das tecnologias avançadas e sofisticadas de hoje e responder a perguntas que nem sabíamos que existiam”, disse Lori Glaze, diretora interina da Divisão de Ciência Planetária, ao site oficial da NASA. Os times de cientistas realizarão pesquisas distintas e foram escolhidos no processo seletivo do programa Apollo Next Generation Sample Analysis (ANGSA).

Os temas definidos pela ANGSA são bem variados e incluem a preservação de compostos orgânicos, a atividade vulcânica na lua e o modo como meteoritos afetam a geologia lunar. Os cientistas trabalharão com especialistas da NASA para evitar riscos de contaminação. A instituição está confiante em abdicar das suas preciosas pedrinhas, pois pretende conseguir novas amostras em um futuro próximo, já que possui planos para enviar astronautas à lua novamente.

O primeiro time de cientistas trabalhará com pedras preservadas das missões Apollo 15 e 17. Liderados por Jamie Elsila, os pesquisadores do Centro de Voos Espaciais Goddard querem descobrir se compostos orgânicos voláteis — possíveis precursores dos aminoácidos — são mais abundantes nas regiões ocultas da lua, o que talvez ajude no entendimento sobre a química do satélite natural.

“É um privilégio ter acesso às amostras. Nós esperamos contribuir não apenas para melhorar nosso entendimento sobre a química lunar mas também para preservar novos exemplares”, disse Elsila em entrevista ao site oficial da NASA.

Fonte(s) NASA

Via Tecmundo

Abertura do Encontro dos Tambores no Amapá

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.