Comitê do Fogo de Mato Grosso planeja estratégias para 2017

Entre as ações, estão o monitoramento e a intensificação da fiscalização, especialmente nos municípios mais críticos

o número de queimadas teve uma redução de 10% no ano passado em relação a 2015. Foto: Divulgação

As instituições parceiras que integram o Comitê do Fogo participaram, nesta semana, da primeira reunião de alinhamento das ações deste ano e propostas em resposta às queimadas e aos incêndios florestais em Mato Grosso. O encontro ocorreu no auditório Pantanal, na sede da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT).

O período proibitivo começa no dia 15 de julho e segue até 15 de setembro, podendo ser prorrogado em razão das condições climáticas.

Entre as ações, estão o monitoramento e a intensificação da fiscalização, especialmente nos municípios mais críticos, o trabalho preventivo partir do primeiro semestre do ano nas Áreas de Proteção Ambiental (APA) e nas unidades de conservação estaduais. Também está prevista a promoção de campanhas educativas e publicitárias, visando orientar sobre o tema e alertar a população sobre os perigos do uso do fogo de forma inadequada e ainda a busca de parceria com prefeituras, setor produtivo e sociedade civil organizada.

Durante a reunião, foram apresentados os dados de queimadas relacionados aos anos de 2016 e 2015. Conforme o relatório do Comitê, o número de queimadas teve uma redução de 10% no ano passado em relação a 2015, passando de 33 mil focos de calor para 29 mil. Entre os estados da ‘Amazônia Legal’, Mato Grosso ocupou a 5ª posição no ranking de focos de calor, segundo informações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Para o secretário executivo da Sema, André Baby, o planejamento é importante no trabalho de conservação ambiental e combate ao desmatamento ilegal proposto pela Secretaria, tendo em vista que a queimada é uma das ferramentas utilizadas no processo de desmate. “Esse é um problema de todos nós, por isso temos o dever constitucional de contribuir, evitando o uso do fogo que traz danos ao meio ambiente, à saúde humana e prejuízos econômicos”.

De acordo com o tenente coronel do Corpo de Bombeiros e comandante do Batalhão de Emergências Ambientais (BEA), Paulo André Barroso, a parceria com a Sema visa prioritariamente a proteção das 46 unidades de conservação estaduais. “Para este ano, a expectativa é que possamos contar com a participação de todos os integrantes do comitê e também da população, que pode nos auxiliar evitando o uso incorreto de fogo e denunciando práticas ilegais”.

 

Portal Amazônia com informações do Governo do Estado de Mato Grosso

Deixe uma resposta