Educa

PNAD Contínua mostra desocupação de 9,6% no 1º trimestre de 2015 no Amapá

A taxa de desocupação, no Amapá, foi estimada em 9,6% no 1º trimestre de 2015, a segunda maior taxa entre as Unidades da Federação no período. Pela primeira vez, a PNAD Contínua traz as informações completas sobre o mercado de trabalho para Brasil, grandes regiões e unidades da federação.

A maior taxa foi verificada na região Nordeste (9,6%), e a menor, no Sul (5,1%). Entre as unidades da federação, Rio Grande do Norte teve a maior taxa (11,5%) e Santa Catarina, a menor (3,9%).
A população desocupada (32 mil pessoas) não variou frente ao trimestre imediatamente anterior. Em relação ao 1º trimestre de 2014, houve um recuo de -15,8%.
O nível da ocupação (indicador que mede a parcela da população ocupada em relação à população em idade de trabalhar) foi estimado em 55,5% no 1º trimestre de 2015, abaixo dos 56,8% verificados no trimestre anterior e acima dos 54,4% observados no 1º trimestre do ano passado. A população ocupada foi estimada em 302 mil, refletindo variação de -2,3% na comparação com o trimestre anterior e 2% frente ao mesmo trimestre de 2014. No 1º trimestre de 2015, 77,4% dos empregados no setor privado tinham carteira de trabalho assinada, apresentando avanço de 1,4 ponto percentual em relação a igual trimestre de 2014 (75,9%). Em relação ao trimestre anterior, não houve variação estatisticamente significativa.
O rendimento médio real habitual dos trabalhadores foi estimado em R$ 1.741. Este resultado foi 1,5% menor que o registrado no trimestre anterior (R$ 1.768) e 0,7% inferior em relação ao obtido no 1º trimestre de 2014 (R$ 1.754). A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados foi estimada em R$ 503 milhões, registrando redução de 4,6% em relação ao 4º trimestre de 2014. Na comparação anual, esta estimativa teve alta de 1%.
As análises apontaram diferenças significativas na taxa de desocupação entre homens e mulheres. No 1º trimestre de 2015, a taxa foi estimada em 8% para os homens e 12% para as mulheres. Já entre os jovens de 18 a 24 anos de idade, a taxa ficou em 23,5%, patamar elevado em relação à taxa média total (9,6%).
A taxa de desocupação para o contingente de pessoas com ensino médio incompleto (19,6%) era superior à verificada para os demais de níveis de instrução. Para o grupo de pessoas com nível superior incompleto, a taxa foi estimada em 17,1%, praticamente o 4 vezes maior do que a taxa verificada para aqueles com nível superior completo (4,6%).
A publicação completa com os dados divulgados hoje está disponível no link
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pnad_continua/

Unidade Estadual do IBGE no Amapá
07 de maio de 2015

Atenciosamente,


Joel Lima da Silva
Supervisor de Disseminação de Informações

PNAD Contínua 1º TRIMESTRE 2015.doc

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: