AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Exército pode assumir obras na BR-156 no Amapá

O Exército Brasileiro demonstrou interesse em assumir as obras dos 100 KM da BR-156 no trecho entre Calçoene e Oiapoque “Essa obra é da maior importância” disse o comandante do Exército Brasileiro, Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, em reunião com os senadores Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e Davi Alcolumbre (DEM-AP). Os serviços ficariam a cargo do 8° Batalhão de Engenharia e Construções, sediado em Santarém-PA.

A trecho Calçoene-Oiapoque enfrenta muitos problemas por falta das péssimas condições da estrada, no começo do ano a comunidade organizou vários protestos contra a constante queda de energia elétrica ocasionada por falta de combustível que alimenta os geradores térmicos. O carregamento de combustível não conseguia chegar à região por causa da estrada que passou vários dias bloqueada “Uma situação inadmissível, estamos na fronteira com a Guiana Francesa, precisamos ajudar a desenvolver o estado começando a melhorar nossas estradas”, desabafou Randolfe.

A obra é de responsabilidade do DNIT que não abre mão de realizá-la “Nós temos condições técnicas de viabilizar a obra. Mas não podemos dar um passo sem autorização do DNIT e do Ministério do Transporte” disse o chefe do Departamento de Engenharia e Construção do Exército, general Joaquim Brandão. O projeto de pavimentação de toda a rodovia foi incluído no PAC 2 por etapas, só lotes 1 e 4 foram concluídas até agora.

Os valores das obras feitas pelo Exército Brasileiro são baseados no Sistema Nacional de Preços “Muitas vezes fazemos tanta economia que chegamos a devolver dinheiro da verba destinada para obra, após a sua conclusão, sem comprometer a qualidade-padrão do serviço” ressaltou o general Joaquim Brandão.

O senador Randolfe se comprometeu a procurar, o mais rápido possível, o Ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Aloizio Mercadante, para tentar articular a mudança de responsabilidade sobre a realização da pavimentação.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: