AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Unifap e Sebrae viabilizam Especialização em Meio Ambiente, Petróleo e Gás

A reitora da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Eliane Superti, e o diretor-superintendente do Sistema de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/AP), João Carlos Alvarenga, assinaram na manhã desta sexta-feira, 11, o termo de cooperação técnica que vai viabilizar a formação da primeira turma de especialização lato sensu em Meio Ambiente, Petróleo e Gás. O edital com as normas do processo seletivo para o preenchimento de vagas foi publicado após o evento e está disponível emhttp://www.unifap.br/public/index/view/id/6920

O curso de especialização em Meio Ambiente, Petróleo e Gás nasce a partir da necessidade que o Amapá tem em começar o processo de formação de massa crítica capacitada para ir ao encontro do tema. Os avanços da pesquisa colocam a ocorrência de petróleo na costa do Amapá como uma condição próxima de confirmação e viabilidade comercial. “Se, em um futuro próximo, a exploração comercial tiver início, precisamos saber como dialogar com o setor”, explicou o coordenador da especialização, professor Marco Antônio Chagas.

O exemplo negativo da exploração de recursos naturais não renováveis, como o ciclo da mineração que teve início no estado na década de 1950 e encerrou-se em 1997, foi outro fator para que se pensasse em preparar um capital crítico suficiente para analisar, definir e ser norteador de políticas públicas no momento que a atividade petrolífera se afirmar no Amapá. O professor Marco Chagas explica que o curso foi moldado a partir das características locais. Segundo o coordenador, associar meio ambiente, petróleo e gás não é algo novo, mas foi formatado algo peculiar ao Amapá.

A reitora da Unifap, Eliane Superti, salientou que nesse processo faz-se necessário atentar que as políticas públicas pensadas a partir dos grandes investimentos precisam se voltar para a necessidade de desenvolvimento, o que ela chamou de “inversão no circuito de capital” a favor da qualidade de vida da população. “É um processo que leva tempo e requer maturidade, mais que precisa ser construído hoje se quisermos ter respostas futuras”, afirmou. Segundo ela, vivemos um grande dilema que é encontrar o consenso entre economia e preservação, e medidas como a implantação de uma especialização é uma possibilidade para encontrar esse equilíbrio.

Opinião compartilhada pelo diretor Alvarenga. “A exploração não terá início agora, muito menos o recebimento dos dividendos oriundos da prática. Mas precisamos nos preparar para participar do processo. Com pessoas preparadas, conscientes e capacitadas, seremos parte do protagonismo”, afirmou.

Parceria

A proposta do curso de Especialização em Petróleo e Gás teve origem em reuniões da rede Petrogás Amapá, criada em novembro de 2014 no Sebrae/AP. Os integrantes da rede reconheceram que se exige um longo conhecimento e aprendizado sobre o tema para que se permitam possibilidades de diálogos igualitários em torno da exploração de recursos naturais não renováveis.

“Então, nós (Unifap) ficamos imbuídos dessa missão. Futuramente um mestrado e doutorado nesse nessa área irá ocorrer naturalmente”, informou o coordenador da especialização, professor Marco Chagas. A reitora Superti enfatizou que sem o apoio do Sebrae a proposta não teria condição de ser viabilizada. “A universidade vive um processo de crise severa, assim como ocorre com o Sebrae. Porém, somando forças, somos capazes de ações de impacto e que possam efetivamente estimular na nossa sociedade uma mudança de cenário, uma mudança de mentalidade”, disse.

Sobre a Especialização em Petróleo e Gás

Vagas disponibilizadas (20 vagas)

Carga Horária e tempo de Duração: o curso terá carga horária de 450 horas e duração máxima de 12 meses, não excedendo o prazo máximo de 18 meses para o cumprimento da carga horária de defesas de monografias.

Funcionamento: O curso será sediado no departamento de Meio Ambiente e desenvolvimento/bloco de Ciências Ambientais da Unifap e vai funcionar pela manhã.

Requisitos: O candidato deverá ter concluído o curso superior em qualquer área do conhecimento. O reconhecimento do curso de graduação pelo Ministério da Educação é obrigatório.

Seleção: A seleção será realizada pelos professores do curso em duas fases: a primeira com base em análise da documentação apresentada (diploma de graduação, histórico acadêmico, curriculum lattes e ficha de inscrição). A segunda fase será feita por meio de entrevista para aferição do conteúdo e perfil do candidato.

INSCRIÇÃO, RESULTADOS E MATRÍCULA

1ª fase: 04 a 15 de janeiro de 2016
2ª fase: 18 a 22 de janeiro de 2016
Resultado: 25 de janeiro de 2016
Matrícula: 26 a 29 de janeiro de 2016

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: