Educa

Remédios vendidos em farmácias seriam da prefeitura de Macapá

Educa

Os remédios apreendidos em operação da Polícia Civil do Amapá(PC), por estarem sendo comercializados ilegalmente em três farmácias de Macapá e Santana pertenciam originalmente à Secretaria Municipal de Saúde da capital, informou a delegada Luiza Maia, que comanda as investigações.

medicacao_com_venda_proibida
Remédios apreendidos seriam da prefeitura de Macapá (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A prefeitura de Macapá informou que não vai se pronunciar sobre o caso.

Os medicamentos foram apreendidos na sexta-feira (18), após denúncia de que os produtos estariam sendo desviados da rede pública de Saúde para venda em farmácias. Além disso, alguns remédios estavam fora da validade.

Cerca de 1 mil embalagens foram apreendidas na operação denominada “Saúde Zero”. A delegada informou que vai oficializar a conclusão da investigação à secretaria para dar prosseguimento ao processo.

“Investigamos que os remédios pertencem à Secretaria de Saúde de Macapá. As próprias caixas têm o registro de que são da capital. Nós vamos oficializar à secretaria para poder identificar se os remédios foram roubados ou desviados”, disse Maia.

Remédios, polícia, fármácias, Santana, Amapá (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Na operação, três pessoas foram presas, sendo o dono das três farmácias e dois funcionários. Todos foram liberados após pagamento de fiança.

A polícia informou que descobriu embalagens de remédio adulteradas para camuflar os termos “venda proibida” e “entrega gratuita”. Os produtos eram expostos livremente nas prateleiras e alguns estavam fora da validade, segundo a polícia.

De acordo com a delegada, os estabelecimentos onde os agentes atuaram ficam nos bairros Hospitalidade e Igarapé da Fortaleza, em Santana, e no Buritizal, na Zona Sul de Macapá.

A operação investiga se os remédios eram roubados dos postos ou cedidos pelos funcionários. Ao todo, atuaram na operação 11 agentes da Polícia Civil e dois peritos da Polícia Técnico-Científica (Politec).

Fabiana Figueiredo
Do G1 AP

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.