img#wpstats{display:none}

“Menino do Acre” explica sumiço: “Precisava me reencontrar, renascer”

Jovem nega que desaparecimento tenha sido jogada de marketing e não detalha onde passou os últimos meses

Em casa após passar mais de quatro meses desaparecido, o estudante de psicologia Bruno Borges, 25 anos, conhecido como “menino do Acre” comentou pela primeira vez o sumiço que intrigou o Brasil: “Precisava me reencontrar, renascer. Tudo o que eu fiz foi com o objetivo principal de incentivar as pessoas a adquirirem conhecimento”, afirmou em entrevista ao Fantástico, da TV Globo.

Bruno voltou para a casa da família em Rio Branco (AC) na manhã de sexta-feira (11/8). O rapaz havia saído de casa no dia 27 de março, sem dar explicações para os parentes. Desde então, os pais do jovem realizaram diversos esforços para encontrar o filho.

Apesar da curiosidade nacional, Bruno se recusou a dizer onde passou os últimos quatro meses. “Estive em meio à natureza. O que posso dizer é que eu estava isolado, não tive acesso a nada, se não ia quebrar todo o meu objetivo. Busquei o isolamento para não ser atrapalhado pelo coletivo. Toda parte do isolamento eu não vou falar”, afirmou na entrevista.
No entanto, admitiu se arrepender de não ter avisado os familiares sobre a “missão”: “De me isolar, não me arrependi. Mas não ter avisado é umas das coisas que mais me arrependi em toda a minha vida. Foi um grande erro que eu cometi em não ter avisado àquelas pessoas que têm um carinho muito especial por mim”.

Antes de desaparecer, Bruno deixou 14 livros escritos à mão e criptografados no quarto que ocupa na casa dos pais. Parte do texto estava escrito em paredes e no teto. A primeira das obras, chamada TAC — Teoria da Absorção do Conhecimento, foi publicada no mês passado e apareceu na lista dos livros mais vendidos do país.

O rapaz diz ainda que achou que os materiais deixados no quarto seriam suficientes para tranquilizar os familiares: “Acreditei que todo mundo ia saber que eu tinha me isolado pra buscar a verdade da vida no momento que olhasse o meu quarto do jeito que eu deixei”.

Estratégia de Marketing
Para a polícia do Acre, o desaparecimento de Bruno foi uma jogada de marketing para promover os livros do rapaz. “Bruno se ausenta, o livro é lançado. Então, eu acho que fica evidente que havia um plano de divulgação”, alegou o delegado Alcino Júnior, responsável pelo caso, também ao Fantástico.

Leia a íntegra no Metrópoles

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: