Desmatamento ilegal abate área recorde de floresta em sete Terras Indígenas entre Rondônia e Mato Grosso

Suzana Lakatos

Dados consolidados das perdas florestais mostram que o desmatamento e a exploração de recursos naturais avançaram de modo desenfreado no Corredor Tupi-Mondé durante 2017. As perdas no ano totalizaram 2,3 mil hectares (área equivalente a 2,7 mil campos de futebol).

O alerta vem de um monitoramento independente, conduzido pelo Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), juntamente com a Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam), Associação Metaleirá do Povo Indígena Suruí (Gamebey) e Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé. Para realizá-lo, foi utilizado o aplicativo Global Forest Watch (GFW), que permite combinar imagens de satélite, dados abertos e informações locais para identificar ameaças importantes de desmatamento, suas causas e agentes.

Biodiversidade

Situado entre Rondônia e Mato Grosso, o corredor Tupi-Mondé tem uma área total de 3,5 milhões de hectares (equivalente ao território da Bélgica) e é um importante reduto de biodiversidade e preservação da cultura e do modo de vida tradicional de cinco etnias que ali habitam: Arara, Cinta Larga, Gavião, Paiter Suruí e Zoró.

É uma população de quase seis mil pessoas ocupando sete Terras Indígenas (TIs), das quais a Sete de Setembro encabeça a lista do desmatamento, com perda de 930 hectares de cobertura florestal em 2017, mais do que o dobro registrado na TI Roosevelt, segunda do ranking, com perda de 407 hectares de florestas. As TIs Serra Morena e Aripuanã foram as menos atingidas, com perdas em torno de 70 hectares de florestas no ano passado.

Como resultado das sucessivas perdas, os índices de cobertura florestal oscilam hoje, nas TIs mais degradadas, entre 93% (TI Parque do Aripuanã) e 95% (TIs Roosevelt, Sete de Setembro, Zoró) e 99% nas melhores conservadas (TIs Aripuanã e Serra Morena). A TI Igarapé Lourdes registra atualmente 96% de cobertura vegetal.

“A porcentagem de perda parece pequena, mas é alarmante, pelo grande valor estratégico do Tupi-Mondé, uma ilha de conservação florestal em pleno arco do desmatamento na Amazônia”, segundo Pedro Soares, gerente do Programa de Mudanças Climáticas do Idesam. “Especialmente, porque essa situação faz com que a região se torne alvo de grande pressão do entorno, já tomado por centros urbanos, estradas e esgotamento de recursos naturais”, alerta.

Leia mais no site Solidário Notícias

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.