Telegram menos seguro que WhatsApp? Veja sete polêmicas sobre o app

Educa

Aplicativo usado nas conversas vazadas entre Moro e Dallagnol acumula histórico de conflito com governos e autoridades

Por Paulo Alves

O Telegram é um aplicativo que começou a ganhar popularidade em 2014, logo depois do anúncio da venda do WhatsApp para o Facebook – na época, o mensageiro registrou um pico até então inédito de cinco milhões de novos downloads. Mais tarde, passou a ser sempre lembrado por brasileiros nos episódios de bloqueio judicial do WhatsApp e por trazer funções de privacidade, como o chat secreto.

O app também já se envolveu em polêmicas, que vão desde atritos com o governo russo e com o FBI, até o vazamento de conversas entre o Ministro da Justiça Sérgio Moro e o procurador do Ministério Público Federal Deltan Dallagnol, reveladas pelo site The Intercept Brasil. Nesta quarta-feira (12), o aplicativo revelou ter sido alvo de um ataque DDoS – e usou uma analogia sobre fast food para explicar o problema. Veja, a seguir, sete fatos curiosos e polêmicos sobre o Telegram.

1. Ataque DDoS explicado de forma inusitada
O Telegram usou o Twitter para contar, nesta quarta-feira (12), que estava lidando com um ataque DDoS. Esse tipo de problema é relativamente comum em grandes serviços de Internet, e ocorre quando há um excesso proposital de requisições a servidores na tentativa de derrubar um serviço online. O que chamou atenção dessa vez foi a explicação criativa dada pelo aplicativo, que usou uma lanchonete fast food lotada como exemplo.

Veja mais no Techtudo

Aprecie a boa música da Amazônia

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.