Educa

Japão pede que Coreia do Sul retifique questões de trabalho forçado

Japoneses alegam que acordo de 1965 já resolveu o assunto

NHK

O chanceler japonês Toshimitsu Motegi reiterou a posição de que a Coreia do Sul deve retificar violações de direito internacional e da questão de trabalhos forçados realizados no período da guerra.

Motegi fez o comentário durante uma breve reunião com o chanceler sul-coreano Kang Kyung-wha, em Madri, onde ambos participavam de cúpula da ASEM, encontro entre chanceleres da Ásia e da Europa.

Durante a conversa de cerca de 10 minutos, no domingo (15), Motegi também enfatizou a importância das relações bilaterais, bem como as relações entre o Japão, os Estados Unidos e a Coreia do Sul para lidar com a questão dos lançamentos de mísseis balísticos pela Coreia do Norte.

Os chanceleres do Japão e da Coreia do Sul concordaram em cooperar para formar a base da reunião planejada entre o premiê japonês Shinzo Abe e o presidente sul-coreano Moon Jae-in, que deve ocorrer na cidade chinesa de Chengdu na semana que vem.

Motegi afirmou que a deterioração nas relações entre os dois países é fruto das questões de trabalhos forçados no período da guerra.

No ano passado, a Suprema Corte da Coreia do Sul ordenou que firmas japonesas pagassem indenizações para os autores de ações judiciais que alegam ter tidos seus familiares, ou eles próprios, sido forçados a trabalhar em empresas japonesas no período da Segunda Guerra Mundial.

O Japão mantém a posição de que um acordo bilateral de 1965 já concluiu as questões de compensações do período da guerra.

EBC

Amazônia Brasil Rádio Web ao vivo!

Dê sua opinião, não fique calado!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.