AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Coordenador da Funai morre após levar flechada de indígenas isolados

‘A gente só escutou o barulho da flecha no peito dele’, diz testemunha

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental Uru-Eu-Wau-Wau (FPEUEWW) da Fundação Nacional do Índio (Funai), Rieli Franciscato, 56 anos, morreu nesta quarta-feira (9) após ser atingido no tórax por uma flecha disparada por indígenas isolados em Rondônia. As informações são da TV Globo e portal G1.

Segundo a Polícia Civil e a Associação Etnoambiental Kanindé, o caso aconteceu nas proximidades da Linha 6 em Seringueiras (RO). A Kanindé acrescentou que os indígenas isolados não sabem a distinção entre defensor e inimigo, reforçando que o território “está sendo invadido e os índios estão tentando sobreviver”.

Desde os anos 1980, Rieli era uma das grandes referências nos trabalhos de proteção aos indígenas isolados da Amazônia. O coordenador defendia o não contato com o grupo e atuava para evitar um conflito com a população local. Também fez parte da equipe que demarcou a primeira terra exclusiva para indígenas isolados.

Veja também:
3 substitutos da carne para incluir no cardápio
Dia do Médico Veterinário: campanha nacional valoriza profissional na Saúde Única
Ex-advogado de Bolsonaro e advogados de Lula são alvos de operação

Em um áudio, um policial amigo de Rieli narrou os momentos que antecederam a morte. Segundo ele, os indígenas não contactados apareceram próximos a um acesso viário. Ele e outra colega da corporação estavam de plantão e registraram a ocorrência de averiguação.

“O Rieli chegou aqui, pediu apoio pro sargento, se a gente poderia ir com ele lá, porque lá é uma área de conflito. O sargento liberou a gente pra ir, a gente foi. Quando a gente chegou lá onde eles apareceram, ele entrou em contato com a senhora dona da terra e perguntou se podia dar uma olhada por onde eles tinham vindo”, narrou o policial.

De acordo com o delegado de Seringueiras, Jeremias Mendes, os policiais, ao perceberem que estavam sendo atacados por flechas, se abrigaram atrás da viatura, “mas a vítima (Rieli) não conseguiu se abrigar a tempo. Quando cessaram os ataques, viram a vítima caída e já não havia indígenas”.

Veja mais no Correio24h

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: