AMAZÔNIA BRASIL RÁDIO WEB

Restrições limitam a mais importante festa das famílias chinesas

Feriado do Ano Novo Lunar começa em 12 de fevereiro

As viagens durante o feriado do Ano Novo Lunar na China foram reduzidas a uma fração do que é habitual, depois de o governo ter pedido aos cidadãos que não regressem à sua terra natal.

A China deparou-se, nas últimas semanas, com novos surtos da covid-19 em várias províncias do Norte do país, levando as autoridades a isolar cidades inteiras e realizar testes em massa.

O governo chinês, determinado em prevenir mesmo surtos de pequena escala, quer reduzir as viagens de longa distância durante o maior feriado do ano.

O Conselho de Estado encorajou as pessoas, mesmo em áreas de baixo risco, a celebrarem o Ano Novo Lunar, que começa em 12 de fevereiro, no local onde moram e trabalham, em vez de regressar à terra natal.

Veja também:
Inscrições para seleção de elaboradores de itens do Revalida estão abertas
Programa de monitores seleciona estudantes para projeto ligado às Nações Unidas
Amazonas cria auxílio emergencial para famílias em extrema pobreza

O Ministério dos Transportes chinês estimou que os viajantes farão apenas cerca de 1,15 bilhões de viagens este ano, em comparação com cerca de 3 bilhões em 2019.

As medidas para desencorajar viagens incluíram presentes em dinheiro, acesso gratuito à internet e entrada gratuita nas atrações turísticas locais.

Os empregadores também alertaram os trabalhadores que deixar a cidade seria mal visto pelas chefias.

Na quarta-feira (27), Pequim passou a exigir que até viajantes procedentes de regiões de baixo risco apresentem teste negativo à covid-19 para entrar na cidade.

Para muitos dos cerca de 300 milhões de trabalhadores migrantes, empregados nas prósperas cidades do litoral, este é o única período do ano em que estão com a família.

Cidades ricas do Sul da China, incluindo Suzhou e Ningbo, estão oferecendo aos trabalhadores migrantes pontos adicionais necessários para solicitar uma autorização de residência urbana.

De acordo com o sistema hukou, de passaportes internos da China, ter residência local concede acesso aos serviços públicos, incluindo educação, saúde e habitação.

Reuters

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: