Estudo ouve diretores escolares para auxiliar no retorno das aulas presenciais

Pesquisa é uma ação conjunta do Centro Lemann e a Global School Leaders

Na pandemia, a readaptação das aulas exigiu maiores esforços dos profissionais da educação, sendo o ensino remoto a solução para não prejudicar ainda mais a aprendizagem dos estudantes. Nas últimas semanas, com o avanço da imunização contra a Covid-19, o retorna às aulas presenciais já tem data ocorrer. São Paulo, Bahia e Brasília, por exemplo, figuram os locais onde as escolas devem ser reabertas de forma escalonada, totalmente presencial ou híbrida.

Em São Paulo, o secretário de Educação do estado, Rossieli Soares deve decidir até o mês de agosto quando será obrigatória a volta às aulas nas escolas do estado, segundo a CNN Brasil.

Na Bahia, onde algumas escolas privadas reabriram gradualmente nos últimos meses, o governador do estado, Rui Costa, decretou o retorno semipresencial no dia 26 de julho para as escolas estaduais, mas o Sindicato dos Professores defende que não é o momento de retornar às salas. Diante do impasse, o governador baiano informou que os profissionais que não retornarem presencialmente terão corte salarial dos dias não trabalhados.

Minas Gerais também planeja o retorno. A Secretaria de Estado de Educação prevê que, pelo menos, 1.138 instituições voltem às atividades nessa semana. No entanto, assim como em outras regiões, o conselho-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) não concorda com a retomada neste momento. 

Até 30 de junho, data mais recente da divulgação oficial do número de vacinados no país, mais de 1 milhão de brasileiros recebeu o imunizante contra a Covid-19, segundo o Governo Federal, o que representa cerca de 14,5% da população, conforme dados do “Our World In Data”. Destes, mais de 74 milhões de pessoas receberam a primeira dose da vacina e mais de 26 milhões já estão protegidos com as duas doses. A meta é vacinar 160 milhões de pessoas até o fim de 2021.

O que pensam os diretores e diretoras escolares 

O Centro Lemann de Liderança para Equidade na Educação e a Global School Leaders estão realizando, juntos, uma pesquisa que busca dar voz a lideranças escolares nesta retomada de aulas presenciais. A pesquisa aborda temas como acesso a tecnologias, inovações pedagógicas, perspectivas para a reabertura, aprendizagem, evasão e saúde mental de estudantes e profissionais da educação, entre outros assuntos.

Os questionamentos do estudo serão respondidos pelos diretores através de um formulário disponível na internet. O objetivo do estudo é identificar os desafios, as preocupações e os possíveis caminhos a serem trilhados pelas escolas em resposta à pandemia do coronavírus, e a fim de orientar os diretores acadêmicos no processo de reabertura, bem como indicar como governos e sociedade devem apoiar os profissionais da educação no retorno das aulas.

De acordo com a Anna Penido, diretora do Centro Lemann de Liderança para Equidade na Educação, uma das organizações que apoiam a pesquisa no Brasil, na pesquisa os diretores vão contar o que estão fazendo, quais são os principais desafios em relação à pandemia e as soluções que estão encontrando para enfrentar o momento.

“Ao conhecer esses desafios mais a fundo, esperamos que as redes de educação e as organizações da sociedade civil possam colaborar melhor com esses diretores, ajudá-los a superar esses obstáculos e que, também, as soluções que esses diretores já encontraram possam ser compartilhadas com outras escolas, para que também haja colaboração entre pares”, explica Penido.

A participação dos diretores na consulta é voluntária, anônima e se encerra no dia 16 de julho. Os resultados serão utilizados para propósitos sociais sem fins lucrativos e estarão disponíveis a partir da segunda semana de agosto no site http://www.globalschoolleaders.org.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Para adquirir o e-book "Fotografia da Amazônia" basta contactar o fotógrafo pelo WhatsApp no (96) 3333-4579. A coletânea está no valor de R$ 30.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: