Afeganistão: com o Talebã de volta ao comando, crescem críticas à política de Biden

Boer Deng, Sam Farzaneh e Tara McKelvey

O avanço relâmpago do Talebã na retomada do Afeganistão levou afegãos-americanos, ex-generais e importantes estadistas a culpar o presidente Joe Biden por uma retirada precipitada dos Estados Unidos. Mas ele parece ter o público do seu lado – por enquanto.

Hadia Essazada se emocionou ao relatar o horror que o Talebã causou em sua casa, primeiro espancando seu pai e depois matando seu irmão.

Na primeira vez, “eles bateram em meu pai com uma barra de ferro porque procuravam meu irmão mais velho”, que lutou para resistir ao governo deles na década de 1990, ela contou serviço persa da BBC (BBC Persian).

Eles fugiram de casa na cidade de Mazar-I-Sharif, no norte do Afeganistão.

“Mas depois de seis meses, quando voltamos para nossa casa, o Talebã veio nos visitar novamente. E levaram meu irmão mais novo”, disse. “Não sei quantos dias se passaram quando um comerciante de nossa vizinhança veio até meu pai para dizer a ele que seu filho havia sido morto.”

A obscura história da escola para crianças indígenas no Canadá onde foram encontradas 160 tumbas ocultas
Afeganistão: ‘Não fomos lá para formar uma nação’; os argumentos de Biden para abandonar o país
Fim do Talvez também te interesse
O Talebã executou o irmão dela e arrastou o corpo dele pelas ruas. Parentes não puderam recolher seu corpo para enterrá-lo por semanas e, a essa altura, os cães já haviam sido autorizados a atacar os restos mortais.

Essazada, hoje na casa dos 20 anos e morando nos Estados Unidos, disse que teme pela segurança tanto do Afeganistão quanto de sua nova casa, os EUA, agora que o Talebã está no controle novamente.

“O Talebã não mudou nada”, disse ela, prevendo que o Ocidente será alvo de militantes que ela acredita que receberão proteção do grupo. “Você realmente quer voltar para o Afeganistão de novo?”

A promessa de Biden de sair

Para os críticos, a decisão do presidente de encerrar o conflito mais longo dos EUA desfez 20 anos de trabalho e sacrifício, abriu caminho para uma catástrofe humanitária e pôs em dúvida a credibilidade dos EUA.

Muitos dos que estão mais próximos do conflito – afegãos, soldados e estadistas – há muito tempo são céticos quanto à visão do presidente de que se poderia esperar que o governo de Cabul mantivesse, sozinho, a segurança do país.

Com a tomada da capital Cabul no domingo (15/8), alguns se perguntam se é apenas uma questão de tempo até que o eleitorado americano venha a se arrepender da decisão de Biden de cumprir a antiga promessa de retirar os Estados Unidos do Afeganistão.

A decisão de retirada não é uma surpresa. Desde seus dias como vice-presidente de Barack Obama, Biden sempre insistiu que a guerra deveria ser limitada em sua missão.

Como senador por Delaware em 2001, ele juntou-se a uma votação unânime para aprovar o uso da força militar no Afeganistão. Mas ele se opôs ao envio de mais tropas autorizadas por Obama em 2009.

“Biden foi muito claro sobre o Afeganistão”, disse Brett Bruen, ex-diplomata que participou das reuniões do Conselho de Segurança Nacional do governo Obama, à BBC. “Ele disse que deveríamos dar o fora de lá.”

Biden defendeu seu ponto e às vezes tornava a discussão pessoal, lembrou Bruen. “Foi um esforço para conquistar a sala”, disse ele.

Como candidato da Casa Branca em 2019, Biden lembrou aos eleitores que ele seria o primeiro presidente desde Dwight Eisenhower, na década de 1950, que teve um filho (Beau Biden) servindo em um conflito ativo.

Em suas memórias, Richard Holbrooke, que foi enviado especial ao Afeganistão nos primeiros anos de Obama, lembrou-se de Biden dizendo com raiva que ele “não estava mandando o filho de volta para arriscar a vida pelos direitos das mulheres (afegãs)… Não é para isso que estão lá”.

Mas sua longa experiência em política externa provavelmente contribuiu ainda mais para moldar a visão do presidente, disse Bruen.

“Ele viveu muitos desses conflitos, não apenas no Vietnã e na Guerra do Iraque, mas também no Kosovo e Granada. Acho que há uma certa sobriedade na maneira como ele encara esses desafios, e também um cansaço”, acrescentou ele.

Na corrida eleitoral, Biden disse à CBS em 2020 que os EUA deveriam ter apenas tropas no Afeganistão “para garantir que seja impossível para Talebã, Estado Islãmico ou Al-Qaeda restabelecerem uma base lá”.

Isso não aconteceu. No domingo (15/8), combatentes do Talebã chegaram à capital afegã em meio a pouca resistência. E Estados Unidos e seus aliados transportaram seu funcionários para fora do país.

Em poucas horas, o Aeroporto Internacional Hamid Karzai suspendeu os voos comerciais e, na principal prisão do Afeganistão, perto da Base Aérea de Bagram, as forças do governo se renderam aos insurgentes.

Biden foi forçado, no sábado, a aprovar o envio de milhares de soldados adicionais dos EUA “para garantir que possamos ter uma retirada ordenada e segura de funcionários dos EUA e outros aliados” e realizar uma “evacuação segura” dos afegãos em “risco especial” em relação ao Talebã.

Veja mais na BBC Brasil

Para adquirir o e-book "Fotografia da Amazônia" basta contactar o fotógrafo pelo WhatsApp no (96) 3333-4579. A coletânea está no valor de R$ 30.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: