Justiça do Rio ouve testemunhas do caso Henry Borel

Audiência terá continuidade nesta quarta-feira

Testemunhas de acusação e de defesa da professora Monique Medeiros e do ex-vereador Jairo Souza dos Santos Júnior, o Dr. Jairinho, acusados pela morte do menino Henry Borel, foram ouvidas nessa terça-feira (14) no Tribunal de Justiça (TJ). A audiência de instrução e julgamento começou por volta das 10h50 e se estendeu até o período da noite.

A primeira testemunha ouvida foi a cabeleireira Tereza Cristina dos Santos, que atendeu Monique no dia em que ela falou por vídeo-chamada com sua babá, que mostrou imagens de Henry mancando após supostos maus tratos. Ela confirmou a chamada e disse que Monique não interrompeu o tratamento de escova e permaneceu no salão, apesar da notícia.

Também foi ouvido o deputado estadual Coronel Jairo, pai de Jairinho. Ele afirmou acreditar na inocência do filho e de Monique e contestou as lesões apontadas nos laudos do Instituto Médico Legal (IML), alegando que poderiam ser de trauma no fígado acontecido no passado do menino.

A juíza Elizabeth Machado Louro, da 2ª Vara Criminal da Capital, teve que intervir por várias vezes, pedindo ordem aos advogados das partes, a fim de que estes não fizessem debates entre si dentro do tribunal.

Também foram ouvidos o ex-vereador Thiago Ribeiro, amigo e colega de Jairinho; Herondina Fernandes, tia do réu; Cristiane Isidoro, ex-assessora do ex-parlamentar, que teve o mandato cassado pela Câmara dos Vereadores. A audiência terá continuidade nesta quarta-feira (15), quando serão ouvidas mais duas testemunhas. A juíza ouvirá Jairinho e Monique no ano que vem, quando decidirá se eles enfrentarão o júri popular.

Presos desde abril, os réus foram denunciados pelo Ministério Público pela prática de homicídio qualificado (por motivo torpe, com recurso que dificultou a defesa da vítima e impingiu intenso sofrimento, além de ter sido praticado contra menor de 14 anos), tortura, coação de testemunha, fraude processual e falsidade ideológica.

Henry Borel Medeiros, filho de Monique e enteado de Jairinho, morreu no dia 8 de março. De acordo com informações da denúncia, o menino, de 4 anos de idade, teria sido vítima de torturas realizadas no apartamento do casal, na Barra da Tijuca. O garoto foi levado ao Hospital Barra D’Or, mas já chegou ao local morto. À época, Monique disse acreditar que o menino tivesse caído da cama. Jairinho alegou que estava dormindo, sob efeito de sedativos.

EBC

Para adquirir o e-book "Fotografia da Amazônia" para ajudar a manter esse site. basta contactar o fotógrafo pelo WhatsApp no (96) 3333-4579. A coletânea está no valor de R$ 30.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: